Perdão de dívidas alemãs após Segunda Guerra gera polêmica em meio a crise na Grécia

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption A Alemanha é o principal credor da Grécia; economista criticou autoridades alemãs pela posição de não aceitar perdoar parte das dívidas gregas.

O economista francês Thomas Piketty causou polêmica ao comentar as negociações sobre a crise grega em uma entrevista publicada pelo jornal alemão Die Zeit.

Autor do best seller O Capital no Século XXI - onde faz fortes críticas ao que vê como desigualdades sociais inerentes ao capitalismo -, Piketty alfinetou as autoridades alemãs pela posição de não aceitar perdoar parte das dívidas gregas.

E o principal argumento do economista é que a Alemanha teria se beneficiado justamente de um expediente do gênero no pós-guerra.

Segundo o economista, se o mundo tivesse usado com a Alemanha o mesmo rigor que o país reserva à Grécia, é bem capaz que os próprios alemães tivessem demorado muito mais tempo para se recuperar da miséria em que se encontravam no final da Segunda Guerra Mundial.

Plano Marshall

Piketty não foi o único a usar o argumento.

Leia mais: Grécia: 3 possíveis cenários após a vitória do 'não'

O historiador Albrecht Ritschl, da London School of Economics (LSE), escreveu sobre o assunto, mostrando que o perdão da dívida alemã equivaleu a 400% do PIB alemão em 1950 e estabeleceu os fundamentos para a recuperação financeira do país.

Direito de imagem AP
Image caption A Guerra Fria fez os EUA socorrerem a Alemanha mesmo antes da construção do muro de Berlim, em 1961

Mas há quem considere inválida uma comparação entre a Grécia de 2015 e a Alemanha de 1945.

Em 2012, Hans Werner-Sinn, diretor do Instituto Ifo, um renomado centro de estudos alemão, questionou a tese de Ritschl em um artigo no jornal The New York Times.

Leia mais: #SalaSocial: Fãs e críticos debatem renúncia de ministro 'motoqueiro' da Grécia

Ele argumentou que a Grécia, ainda durante os esforços de reconstrução após a Segunda Guerra Mundial, recebeu muito mais recursos de países europeus que a Alemanha durante os anos do Plano Marshall - um pacote de assistência pilotado pelos EUA que em números de hoje equivaleria a mais de US$ 130 bilhões.

Direito de imagem Getty
Image caption O endividamento alemão facilitou a subida de Adolph Hitler ao poder

Mas ninguém contesta que a Alemanha recebeu benefícios das potências ocidentais com o fim da Segunda Guerra Mundial.

Apesar de arrasada pelo conflito, a Alemanha era de interesse estratégico para os EUA no momento em que tinha início a Guerra Fria com a União Soviética.

Em 1953, na Conferência de Londres, americanos e aliados como o Reino Unido decidiram perdoar quantidades substanciais das dívidas alemãs.

Leia mais: Cinco números da crise e da austeridade na Grécia

Um montante datava do final da Primeira Guerra, quando os alemães tinham sido obrigados a pagar grandes reparações de guerra às nações vencedoras.

O endividamento criou duras condições de austeridade econômica que contribuíram para ascensão do Partido Nazista, sob a liderança de Adolf Hitler, no início da década de 1930.

Image caption A mídia alemã defende uma postura firme da chanceler Angela Merkel,

Analistas, no entanto, alegam que o socorro financeiro à Alemanha era uma necessidade que transcendia a geopolítica. Dado o tamanho do país, sua recuperação era importante para a economia mundial.

A Grécia certamente não tem essa importância, mas a dúvida aqui é se um colapso grego em 2015 apresenta os mesmos riscos políticos da Alemanha do pós-guerra.

E se o país "merece" a mesma generosidade dos credores.

Notícias relacionadas