As 'joias da coroa' que a Grécia terá que vender para pagar suas dívidas

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Privatizações gregas incluiriam portos e aeroportos

A Grécia se comprometeu com seus credores com a criação de um novo fundo independente que gerenciará os ativos estatais que serão privatizados, com o objetivo de gerar cerca de 50 bilhões de euros e assim tentar pagar parte de suas dívidas.

Mas o dinheiro não virá rapidamente. O plano é gerar esse montante durante a "vida do novo empréstimo" que será concedido ao país. Não foi anunciado quanto tempo isso levará - mas poderá ser décadas.

O pagamento final do segundo resgate financeiro para a Grécia está planejado para 2054.

A privatização tem sido um elemento constante dos resgates gregos desde o primeiro deles, em 2010.

Entenda o que está em jogo nas privatizações estabelecidas como condições para que a Grécia receba mais ajuda. E saiba o que pode ser vendido.

Leia mais: Plano da UE é inviável sem perdão de dívida, diz FMI

Qual o objetivo?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Negociações de pacote de resgate aprofundaram divisões políticas na Grécia

Há dois motivos para os credores - União Europeia e Fundo Monetário Internacional - estarem interessados em incluir a venda de ativos estatais nos planos para a Grécia: melhorar a eficiência econômica e arrecadar dinheiro para aliviar as tensões financeiras no setor público grego.

Já em 2011, falava-se em arrecadar 50 bilhões de euros com privatizações, objetivo que deveria ser alcançado ao final de 2015. Mas este prazo não será cumprido. O próprio FMI já falava, em 2011, que a meta era ambiciosa.

Há cerca de um ano, o órgão avaliou que "o desempenho das privatizações seguia abaixo das expectativas."

A revisão projetava arrecadação de 22,4 bilhões de euros com privatizações, menos da metade da quantia anterior e apenas para 2022, muito depois do prazo original.

Leia mais: O euro superaria a saída temporária da Grécia?

Como será feito?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Planos anteriores de ajuda à Grécia também previam privatizações

O plano de privatização mais recente restabelece a meta de 50 bilhões de euros. Mas a chegada desse dinheiro está prevista para mais adiante.

Há também planos de uma nova agência para supervisionar este trabalho - apesar da Grécia já ter uma. A busca por uma substituição reflete a frustração da zona do euro com os objetivos que não foram cumpridos.

Originalmente, os credores lutavam por uma agência com sede fora da Grécia. Mas eles cederam e concordaram que o fundo seja sediado na Grécia e administrado por autoridades gregas, mas "sob a supervisão das instituições europeias competentes."

O que poderá ser vendido?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Muitos gregos se opõem a privatizações de empresas

Há uma grande carteira de propriedades - cerca de 70 mil, de acordo com o FMI.

Planos para vender aeroportos regionais e o porto de Pireu já estão bem avançados e há outras operações de infraestrutura que poderiam ser vendidos, como outros portos, marinas, estradas, refinarias de petróleo, redes de gás, água e esgoto e o serviço postal.

A página da agência grega que supervisiona as privatizações lista também grandes terrenos à beira-mar em cidades turísticas, participações em imóveis, hotéis de propriedade do governo e até mesmo um castelo histórico.

Eventualmente, poderia ser uma oportunidade para Atenas vender ações públicas nos bancos. Mas é provável que eles recebam novas injeções de capital como parte do próximo resgate, então a perspectiva de curto prazo é de um aumento de propriedade pública.

Mas informações sobre os ativos estão desatualizadas e muitos têm disputas sobre títulos de terra ou estão ocupados ilegalmente.

Para que sejam colocadas à venda, será necessário um grande trabalho preparatório. Alguns destes locais têm grande potencial de desenvolvimento do turismo.

Leia mais: Bairro chique de Atenas vive clima de 'luxo suspenso'

O que será feito com o dinheiro?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Grécia aceitou novo plano para evitar ter que deixar a zona do euro

Suponha-se que o dinheiro, finalmente, entre neste novo fundo. O montante será usado para reembolsar o dinheiro da zona do euro usado para escorar os bancos.

Parte dos recursos irá para a redução do peso da dívida do governo e, outra parte, de acordo com a declaração, será utilizado para investimentos não especificados.

Notícias relacionadas