Conheça o tanque de guerra que pretende virar ‘brinquedo’ de milionários

Direito de imagem Howe and Howe Tech
Image caption Versão básica do Ripsaw EV2 custa quase US$ 300 mil

Se comprar um tanque de alta performance para uso pessoal é algo que já passou pela sua cabeça, saiba que agora isso é possível.

Bem, é verdade que é preciso ter uns US$ 300 mil (R$ 942 mil) sobrando e muito espaço para levar a fera para passear. Mas a máquina que já foi usada por militares americanos está hoje à venda para o consumidor comum.

Trata-se do Ripsaw EV2, produto da Howe and Howe Technologies, uma empresa fundada pelos gêmeos Geoff e Mike Howe. Em 2000, cansados de seus empregos, os irmãos decidiram criar o veículo de combate mais rápido do mundo.

Um ano depois, eles se tornavam consultores de pesquisa e desenvolvimento para as Forças Armadas americanas. Conseguiram seu objetivo com um tanque leve chamado Ripsaw, que chegava a mais de 100 km/h. Logo em seguida, estrelaram duas temporadas de um programa para o canal Discovery e começaram a receber pedidos de compradores particulares.

"Primeiro, dissemos que não, que eram só para uso militar", lembra Geoff Howe. "Mas há dois anos começamos a achar que poderia ser uma boa ideia."

Eles aproveitaram a tecnologia não confidencial que eles mesmos desenvolveram e criaram uma cabine mais "civil".

Leia mais: Doze surpreendente bicicletas criadas por montadoras de carros

Leia mais: Skate voador de 'De Volta para o Futuro' vira realidade

Fabricado à mão

Direito de imagem Howe and Howe Tech
Image caption Suspensão torna passeio suave, mas inclinações precisam de motorista confiante

O modelo mais básico custa US$ 295 mil (pouco mais de R$ 925 mil). "Cada um é montado à mão, e só produzimos um por vez. Mas estamos recebendo muitas encomendas e devemos construir dez este ano", afirma Howe.

O pacote inicial inclui um carro de 4 toneladas e 5,5 metros de extensão, com capacidade para duas pessoas, e uma cabine suspensa em um exoesqueleto de alumínio aeroespacial e aço de alta qualidade.

Um motor V8 turbodiesel Duramax da General Motors produz uma potência de 600 cavalos, o que possibilita atingir uma velocidade máxima de 96 km/h. "A sensação é de estar voando a 300 km/h", diz Howe.

O primeiro EV2 completo está pronto para ser despachado para um cliente, que não foi identificado. E outros possíveis compradores já estão se inscrevendo para fazer um test-drive no QG da Howe and Howe, no Estado americano do Maine.

Um estúdio de produção cinematográfica encomendou um Ripsaw com um sistema de câmeras a bordo. Outro cliente pediu um sistema de acesso sem chave e portas asa-de-gaivota automáticas. E é claro que o fabricante também oferece uma versão com equipamentos de visão noturna.

Leia mais: Conheça o carro que encolhe e anda de lado

Leia mais: Será este o ônibus do futuro?

Passeio suave

Direito de imagem Howe and Howe Tech
Image caption Interior foi adaptado para melhorar conforto e dirigibilidade do tanque

O Ripsaw EV2 é fácil de dirigir, já que possui um volante no lugar do tradicional controle de joystick dos tanques. Mas andar sobre barrancos de 75 graus de inclinação pode ser algo que exije uma boa dose de autoconfiança.

O passeio é surpreendentemente suave graças à suspensão ajustável com amortecedores pressurizados. O interior é industrial, com um painel de instrumentos parecido com o de carros de corrida, indicadores especializados e muito metal.

Este é um veículo para se jogar na lama, então o único detalhe de luxo aqui são os bancos de couro.

E quem são os indivíduos de olho no modelo? "São pessoas que têm ranchos no deserto ou nas montanhas e que querem possuir algo que ninguém mais possui", conta Howe. Mas quem pretende desfilar seu tanque pelas ruas e estradas, melhor desistir. "Ele não está em conformidade com as exigências legais para circular na rua. E nunca estará", divertem-se os irmãos.

Leia mais: Carros da era soviética ganham nova vida com colecionadores

Leia mais: Seis veículos militares que estão à venda para civis (e um que não está)

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Autos.