Foto: BBC
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Vídeo mostra prisão de mulher que morreu sob custódia e provocou comoção nos EUA

Imagens divulgadas pela polícia do Texas, nos Estados Unidos, mostram a prisão de uma mulher negra que morreu três dias depois, ainda sob custódia policial.

O vídeo, feito no dia 10 de julho, mostra o momento em que um policial pede que Sandra Bland pare o carro, porque não deu sinal. Os dois discutem.

O médico-legista disse que Bland, de 28 anos, enforcou-se em sua cela, mas sua família exige uma autópsia independente. Autoridades estaduais e o FBI estão investigando o caso.

A morte da mulher causou comoção nos Estados Unidos, meses após os protestos contra a violência policial contra jovens negros.

Leia mais: Artista cria 'Simpsons negros' contra racismo nos EUA

Leia mais: Policial nos EUA é indiciado após ser filmado atirando em negro pelas costas

Cortes e repetições

Direito de imagem AFP
Image caption Bland tinha acabado de começar em um emprego novo, e familiares dizem que ela não teria cometido suicídio

No vídeo de 52 minutos divulgado pelo Departamento de Segurança Pública do Texas, o policial é visto multando Bland e exigindo que ela apague seu cigarro, o que ela se recusa a fazer.

Quando ela se recusa a sair, ele tenta puxá-la para fora do veículo, sem sucesso. Em seguida, parece ameaçá-la com uma arma de eletrochoque e diz: "eu vou acender você".

Ela sai do carro e os dois saem do campo de visão da câmera, mas o áudio sugere que há confronto físico antes que outros policiais cheguem ao local.

"Você me empurrou e bateu minha cabeça no chão, eu tenho epilepsia", afirma Bland. "Tudo isso por não ter dado sinal", diz, enquanto parece chorar.

O policial que prendeu Bland afirma que foi chutado. Ele foi afastado da corporação em um processo administrativo.

O vídeo, que já tem mais de um milhão de visualizações no YouTube, parece ter cortes abruptos em sua continuidade e 'loops' em diversas partes, sugerindo que foi editado antes de ser liberado.

Participantes de redes sociais, incluindo a diretora de cinema Ava DuVernay (que dirigiu o filme Selma, indicado ao Oscar 2015), questionaram a autenticidade do vídeo.

"Eu ganho a vida editando vídeos. Mas qualquer um consegue ver que esse vídeo oficial foi cortado. (...) Por que?", escreveu DuVernay no Twitter.

Direito de imagem BBC World Service

Leia mais: Polícia mata menino de 12 anos que brincava com arma de brinquedo nos EUA

Aos 25 minutos, um homem aparece saindo de sua caminhonete e desaparecendo do quadro. Segundos depois, ele reaparece saindo novamente do carro.

Depois, aos 32m37, um carro branco aparece na imagem e desaparece. Alguns segundos depois, reaparece. O áudio do policial discutindo o incidente, no entanto, não parece mudar. A mesma imagem do carro branco volta a aparecer aos 33m04, sem mudanças no áudio.

Em um comunicado divulgado nesta quarta-feira, o representante do Departamento de Segurança Pública texano, Tom Vinger, afirmou que o vídeo "não foi editado".

"Parte do vídeo... foi afetada durante o upload e isso está sendo analisado. Estamos trabalhando para postar novamente o vídeo", disse.

Leia mais: Júri americano libera policial envolvido em morte de negro após mata-leão

Investigações

Imagens da prisão não mostram o que aconteceu dentro da cela de Bland após ela ser presa, mas sugerem que ninguém entrou ou saiu até que ela fosse encontrada morta.

O delegado Glen Smith disse que seus funcionários conferiram a situação de Bland uma hora antes de ela ter sido encontrada morta.

Direito de imagem Reuters
Image caption Promotor público diz que morte de Bland na prisão deve ser investigada como assassinato

Sua irmã, Shante Needham, afirmou que Bland ligou para ela da cadeia e disse não saber por que havia sido presa. Ela também teria dito achar que o policial quebrou seu braço.

Meses antes, Sandra postou um vídeo online em que dizia estar sofrendo de "um pouco de depressão e de transtorno do estresse pós-traumático".

No início desta terça-feira, o promotor público local, Elton Mathis, disse que o caso – assim como todos os casos de mortes em celas de prisões – deve ser investigado como assassinato.