No Quênia, Obama defende 'julgamentos visíveis' para combater corrupção

AP Direito de imagem AP
Image caption Obama defendeu mais ações para combater corrupção no Quênia

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu que o Quênia adote julgamentos "visíveis" para combater a corrupção que, segundo ele, pode ser o "maior obstáculo" para o crescimento do país.

Obama disse que quenianos são "constantemente minados pela corrupção em alto e baixo níveis" e que funcionários públicos e da polícia deveriam ter bons salários. Mas, segundo ele, às vezes, é preciso apenas "interromper um hábito".

Ele se disse animado com comentários feitos pelo presidente queniano, Uhuru Kenyatta, sobre a necessidade de atacar a corrupção.

Obama e Kenyatta, que se encontraram em Nairóbi, disseram estar "unidos contra o terrorismo" e nos esforços de combatê-lo.

Em discurso, Obama exaltou o potencial da África em economia e negócios.

"A África está no caminho... Pessoas estão sendo retiradas da pobreza, a renda está em alta e a classe média está crescendo", afirmou o presidente dos EUA em encontro com empresários.

Leia mais: Legislação sobre armas é 'grande frustração', diz Obama

Leia mais: O vilarejo onde tudo se chama Obama

Leia mais: 'É filho do Quênia', diz 'vovó Obama'

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Centenas de pessoas acompanharam pronunciamento do líder americano no Quênia
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Obama participou de jantar com parentes em Nairóbi na sexta-feira
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Obama visitou memorial em Nairóbi

Divergência sobre direitos dos gays

Mas os presidentes discordaram profundamente em relação a direitos de homossexuais. Obama fez fortes comentários contra a discriminação, mas Kenyatta disse que o Quênia não compartilha da mesma posição.

Kenyatta deixou claro que o Quênia não irá legalizar as relações homossexuais, porém não há indícios de que o tema possa causar abalos na relação entre os países.

O presidente queniano disse que os direitos dos homossexuais não são assunto "prioritário" para os habitantes do país. "Há algumas coisas que temos que admitir que não compartilhamos - nossa cultura, nossas sociedades não aceitam", afirmou.

"É muito difícil para nós impormos algo às pessoas que elas mesmas não aceitam", completou.

A visita de Obama é vista como histórica, já que é a primeira vez que ele viaja ao país como presidente americano. O Quênia é o país onde seu pai nasceu.

O presidente também visitou um memorial às vítimas do ataque à embaixada americana, em 1998. A visita começou na sexta-feira.

Notícias relacionadas