Brasileiro percorre Japão fotografando festivais inusitados

Roberto Maxwell Direito de imagem BBC World Service
Image caption O Festival do Arroz é um evento para crianças no qual todos entram numa disputa em um arrozal cheio de lama

Em janeiro deste ano, com temperaturas que não chegam na casa dos 10ºC, o fotógrafo e documentarista Roberto Maxwell, 40, encarou as águas congelantes do mar do Japão para garantir fotos e imagens em vídeo de um festival muito diferente na cidade de Fujisawa, província de Kanagawa, a cerca de meia hora da capital japonesa.

Nesta cerimônia, jovens seminus que completam 20 anos carregam o "mikoshi", uma espécie de templo portátil muito pesado, para dentro do mar.

"É um ritual antigo que marca a passagem para a vida adulta", conta Maxwell. Ele diz que passou tanto frio que não conseguia mais sentir as pernas.

Leia mais: Oito inusitados festivais do verão britânico

Em outra ocasião, foi o calor extremo que o brasileiro enfrentou. No chamado Hiwatari Matsuri – algo como "festival de andar sobre o fogo", numa tradução livre –, Maxwell encarou o calor fumegante de uma grande fogueira e ainda caminhou sobre brasas.

Para obter boas imagens, o brasileiro faz questão de estar bem perto de toda a movimentação. "Fotos tiradas de fora ou de longe raramente transmitem o que o festival realmente significa", afirma.

Outro olhar

Há cerca de dois anos, Maxwell começou a percorrer o Japão em busca de festivais diferentes, inusitados e até bizarros. "Antes, fotografava apenas por lazer. Mas percebi que esses festivais mereciam um olhar mais detalhado", conta.

As andanças já renderam uma exposição na capital japonesa e, recentemente, o brasileiro foi foco de uma reportagem de uma tevê japonesa, que o rotulou de "otaku" (pessoas com interesse obsessivo por algo) de festivais.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption O nu masculino é um elemento presente em festivais japoneses e que pode chocar o ocidental
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Bon Odori é uma dança típica que aparece em quase todos os festivais do país
Direito de imagem BBC World Service
Image caption No Kishiwada Danjiri Matsuri, pesados templos são carregados por todo o bairro
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Os festivais reúnem crianças, jovens e idosos e acontecem durante todo o ano no Japão
Direito de imagem BBC World Service
Image caption O Sanja Matsuri atrai um público de mais de dois milhões de pessoas; nele, mafiosos desfilam seminus
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Gueixas típicas do bairro de Asakusa, na capital japonesa, desfilam com seus quimonos coloridos durante o Sanja Matsuri
Direito de imagem BBC World Service
Image caption No festival da fertilidade, a entidade religiosa é representada por um pênis, mas Maxwell preferiu omitir essas imagens por achar difícil transmitir o real significado da festa por meio de fotos
Direito de imagem BBC World Service
Image caption O fotógrafo brasileiro percorre o Japão atrás de festivais inusitados ligados à religião
Direito de imagem BBC World Service
Image caption No Hiwatari Matsuri os participantes atravessam um caminho de brasas como forma de purificar a alma
Direito de imagem BBC World Service
Image caption No festival de Enoshima, os templos portáteis são carregados para dentro do mar gelado
Direito de imagem BBC World Service
Image caption No Nebuta Matsuri, enormes lanternas com motivos chineses são carregadas pelas ruas

O primeiro evento que Maxwell registrou foi o Sanja Matsuri, um festival milenar que é realizado todos os anos em Asakusa, na capital japonesa. "Quando vi pela primeira vez fiquei extasiado, pois o Japão é um país ordenado, mas os festivais são o oposto", analisa.

O Sanja Matsuri é um dos mais famosos eventos do Japão. Atrai uma multidão de cerca de 2 milhões de pessoas em três dias de evento, no final de maio. É também conhecido por ser uma rara oportunidade de ver os famosos mafiosos da Yakuza desfilando seminus, com suas tatuagens que encobrem o corpo todo.

Outro festival que impressionou o brasileiro foi o Nebuta Matsuri, na província de Aomori. "Lanternas gigantes com desenhos de personagens de lendas chinesas desfilam pelas ruas à noite", detalha.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption O Osorezan é um festival que celebra os mortos. Ele acontece num vale isolado, quase inóspito por causa de gases vulcânicos. É para lá que os japoneses acreditam que as almas dos mortos vão.

História

Os festivais, conta Maxwell, são realizados antes de mais nada para reunir a comunidade. "Hoje, as pessoas só veem a parte dos desfiles dos templos portáteis (mikoshi) no ponto alto do evento, mas a festa começa bem antes, quando os vizinhos se reúnem para carregá-los pelo bairro", fala.

Cada "mikoshi" sai de seu bairro e vai até os templos principais. Neste trajeto, eles são agitados freneticamente por aqueles que o carregam. "O mikoshi seria, na verdade, uma liteira dos deuses e entidades, que são levados para passear e abençoar o bairro. Por isso o ritmo e agitação, para que esses deuses fiquem acordados", explica.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Segundo Maxwell, muitas pessoas vão a Osorezan conversar com médiuns e tentar contato com parentes que já morreram

"Os festivais japoneses de fundo religioso são uma demonstração da fé e da coesão comunitária", completa.

A maioria das fotos de Maxwell são em preto e branco. "As festas são muito coloridas e eu quis destacar a dramaticidade dos festivais e expressões faciais dos japoneses", justifica.

Corpo masculino

Um dos pontos que chama a atenção dos estrangeiros que assistem a estes festivais japoneses é a exposição do corpo masculino. Os homens ficam praticamente nus. Usam apenas o fundoshi, que era uma espécie de roupa íntima de antigamente.

"Mas a relação dos japoneses com o corpo é muito diferente da nossa cultura. Eles sabem separar o corpo do momento sexual e do social", diz Maxwell.

"No Brasil, a gente lida bem com a nudez feminina, mas não muito com a masculina."

Image caption Fotógrafo registra festivais há cerca de dois anos

Leia mais: Tradição culinária de Ano Novo, 'moti' mata nove no Japão

E, segundo ele, é justamente isso que acaba chocando e rotulando os festivais japoneses de bizarros ou esquisitos.

Um exemplo é o Kanamara Matsuri, popularmente conhecido como Festival da Fertilidade, no qual o símbolo é um enorme pênis, que é carregado pelas ruas.

Neste festival, a forma do órgão sexual masculino está por todos os lados, em lembrancinhas, doces, esculturas etc. "Nós, ocidentais, não temos condições de entender o significado daquilo, a forma lúdica como uma pessoa chupa um pirulito em forma de pênis", diz.

Por isto, o brasileiro evita expor detalhes como este em seus trabalhos. "Os festivais são públicos, mas é também um momento privado e, às vezes, sinto que estou invadindo a privacidade dos japoneses", conta.