Câmera em uniforme contesta versão de policial que matou homem negro nos EUA

Credito: EPA Direito de imagem EPA
Image caption Imagens de câmera em uniforme derrubaram argumento de policial

Não fosse pela câmera que alguns policiais dos Estados Unidos têm em seus uniformes, o agente que matou Samuel DuBose com um tiro na cabeça teria ficado impune, segundo a família da vítima.

O oficial Ray Tensing, da polícia da Universidade de Cincinnati (Ohio), matou DuBose depois de pará-lo nas proximidades do campus ao ver que seu carro estava sem placa dianteira.

A morte ocorreu há dez dias e se soma à série de casos de homens negros mortos por policiais brancos nos EUA.

Tensing afirmou que DuBose, de 43 anos, o arrastou com seu veículo ao tentar escapar da abordagem.

Leia mais: Artista cria 'Simpsons negros' contra racismo nos EUA

O advogado dele, Stew Mathews, afirmou que o agente, de 25 anos e quatro de experiência, temia por sua vida. "Ele achou que DuBose ia atropelá-lo", disse.

Mas o vídeo, gravado por um câmera no uniforme de Tensing e divulgado nesta quarta-feira, parece contradizer a versão do policial.

Direito de imagem na
Image caption O agente Ray Tensing (esquerda) foi acusado de assasinato pela morte de Samuel DuBose.

As imagens mostram a conversa - inicialmente em tom cordial - que os dois mantiveram quando o agente pediu que DuBose parasse o veículo.

O policial pede sua carteira de motorista e DuBose afirma que não está com ela, mas afirma que tem permissão para dirigir.

Depois o agente pede a DuBose que tire o cinto de segurança e saia do carro. Ele se aproxima da porta e faz menção de abri-la.

Leia mais: Policial nos EUA é indiciado após ser filmado atirando em negro pelas costas

O motorista segura a porta, reclama que não fez nada e liga o motor. Põe o veículo em marcha. Ouve-se um disparo.

O veículo avança uns metros e é possível ouvir quando ele se acidenta, fora do plano, enquanto Tensing corre até ele. DuBose foi declarado morto no local.

Tensing foi acusado de homicídio. Ele pode ser condenado à prisão perpétua.

"Isso, sem nenhuma dúvida, é um homicídio", disse o fiscal do condado de Hamilton (Ohio), Joe Deters, em entrevista.

Direito de imagem AP
Image caption Família de DuBose diz que, sem câmera, policial ficaria impune

"Ele não fez nada violento contra o policial. Não estava sendo arrastado, mas sacou sua arma e disparou contra a cabeça [de Tensing]."

A família de DuBose e organizações de direitos civis haviam pedido a divulgação das imagens da câmera.

Leia mais: Com câmeras em uniformes, cidade dos EUA reduz violência policial

Terina Allen, sua irmã, disse à imprensa que, sem o vídeo, a morte de seu irmão teria sido descrita como "justificada" e outros oficiais teriam corroborado a versão de Tensing.

"Meu irmão seria outro esteriótipo e isso não vai acontecer", disse. "Sabíamos que o vídeo ia inocentar meu irmão."

A morte de DuBose é a mais recente de uma série de casos em que cidadãos negros foram mortos sob custódia policial ou durante a prisão.

As mortes de Eric Garner, um vendedor ambulante em Nova York, e do jovem Michael Brown, em Ferguson (Missouri) provocaram indignação da comunidade negra e protestos depois que os policiais suspeitos em ambos os casos escaparam de indiciamentos.

Leia mais: Tecnologia pode inibir crimes cometidos por policiais no Brasil

O caso de DuBose reavivou o debate sobre a necessidade de a polícia de todo o país ter câmeras em seus uniformes.

Uma medida que foi solicitada por ativistas e a qual o presidente Barack Obama se mostrou favorável, mas que, para alguns, envolve dilemas legais sobre a privacidade.

Direito de imagem AP
Image caption Amigos e parentes protestaram em enterro de vítima

"Podemos dizer seguramente que este caso vai ajudar a causa das câmeras policiais em todo o país", disse o prefeito de Cincinnati, John Cranley.

O professor de Direito Penal da Universidade de Cincinnati John Eck disse ao jornal New York Times que era cético quanto ao uso da ferramenta, mas que o caso tinha feito com que mudasse de opinião.

Ferramenta fundamental

Em abril, na Carolina do Sul, o agente Michael Slager disparou e matou Walter Scott, também negro, alegando que ele havia roubado sua arma de descarga elétrica - outro agente confirmou a versão.

Leia mais: Morte que gerou protestos faz polícia de Londres adotar uso de câmera

O incidente começou depois que Scott foi detido porque o farol traseiro de seu carro não funcionava.

Mas o vídeo de uma testemunha que passava pelo local contradisse sua versão ao mostrar que, após uma breve troca de palavras com o agente, Scott começou a correr e a polícia atirou em suas costas.

Slager foi acusado, em junho, de assassinato.

Brasil

No Brasil, ativistas tentam tornar ampliar o uso de câmeras em uniformes de agentes.

Atualmente, determinadas unidades policiais no Rio e em São Paulo já fazem o uso de câmeras em carros da polícia e até em uniformes (especialmente em manifestações), assim como aparelhos de localização por GPS; porém o uso não é feito em todas as unidades, como recomendam os ativistas.