Hong Kong tem protesto contra acusação de uso de seio como ‘arma’ para agressão

Getty Direito de imagem Getty
Image caption Manifestantes disseram querer expor aspecto 'ridículo' da condenação

Dezenas de homens e mulheres protestaram em Hong Kong usando sutiãs após uma mulher ser presa por, segundo a Justiça, agredir um policial com seu seio.

Ng Lai-ying, de 30 anos, havia acusado o policial Chan Ka-po de tocar em seus seios durante um protesto em março.

Mas o tribunal decidiu contra ela, dizendo que Lai-ying deliberadamente empurrou os seios em direção a ele para poder acusá-lo de agressão.

Ela foi condenada a três meses e 15 dias de prisão.

Direito de imagem Getty
Image caption 'Agressão com seio' rendeu pena de 3 meses e 15 dias de prisão

Cerca de 200 pessoas participaram da Breast Walk (algo como "Caminhada do Seio") em frente à sede da polícia no bairro de Wan Chai no domingo, usando sutiã por cima da roupa ou levando a peça em suas mãos, dizendo que um seio não era uma arma.

Ng estava participando de um protesto no bairro de Yuen Long contra a presença de chineses do continente que visitavam Hong Kong para comprar produtos mais baratos e de mais qualidade - assunto que há tempos causa polêmico no território.

Leia mais: Jovem de 17 anos lidera protestos e sonha com 'democracia real' em Hong Kong

Ela afirmou que, durante um confronto com a polícia, o inspetor-chefe Chan tentou agarrar sua bolsa, mas a mão dele acabou no peito dela.

Ela o acusou de agressão sexual, mas, em contrapartida, o policial a acusou de usar seu seio para agredi-lo.

Direito de imagem Getty
Image caption 'Seios não são armas', disseram manifestantes em Hong Kong

A corte de Tuen Mun decidiu por sua condenação em julho. O magistrado Michael Chan Pik-kiu disse que ela tentou prejudicar a reputação do policial.

Segundo o jornal local South China Morning Post, ele disse que ela "usou sua identidade feminina para criar a alegação de que o policial a havia molestado".

Chan justificou a sentença, pronunciada na semana passada, dizendo ser necessário "dissuadir este tipo de ação, para não trivializar agressões a policiais durante protestos".

Leia mais: Manifestantes e polícia entram em confronto na sede do governo de Hong Kong

O magistrado disse que recebeu ameaças pessoais após o veredito.

Direito de imagem Getty
Image caption Ao proferir sentença, magistrado disse ser necessário 'dissuadir este tipo de ação, para não trivializar agressões a policiais durante protestos'

Os manifestantes no domingo disseram que a decisão era "ridícula".

"Tivemos que usar esse método um tanto quanto estranho para mostrar ao mundo o quão ridículo isso é", disse o professor aposentado James Hon - que destacou que era a primeira vez que usava sutiã - à agência de notícias AFP.

"A decisão é absurda. Como seios podem ser uma arma?", disse a ativista Ng Cheuk-ling, destacando que temia que isso desmotivasse mulheres a participar de protestos políticos.

"A polícia precisa rever suas diretrizes para lidar com manifestantes femininas", disse ela à AFP.

Outro homem disse ao South China Morning Post: "O jeito que estou me vestindo hoje é bem feio para um homem, mas não tão feio quanto o julgamento".