Vazamento tóxico tinge rio cor de mostarda nos EUA

Reuters Direito de imagem BBC World Service
Image caption Vazamento teve início nesta piscina da mina Gold King, que chegou ao rio Animas

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) disse que um vazamento que tingiu de cor mostarda as águas do rio Animas, no Estado do Colorado, é três vezes maior do que a estimativa inicial.

O rio, no oeste dos EUA, está interditado desde 5 de agosto, quando cinco funcionários da agência despejaram, acidentalmente, água tóxica armazenada na piscina da mina desativada Gold King.

Chumbo, cádmio, alumínio e arsênico estão entre os metais pesados no lodo que contamina o Animas.

Fazendas e populações ribeirinhas que dependem do rio para irrigação e subsistência foram alertadas para não usar a água.

A EPA diz agora que mais de 11 milhões de litros de águas residuais chegaram ao rio – inicialmente, a agência afirmou que o vazamento teria sido de cerca de 4 milhões de litros.

Ambientalistas criticaram duramente as autoridades por sua suposta lentidão na diagnose e combate ao vazamento tóxico.

Leia mais: Como nuvem letal matou mais de 8 mil pessoas em 72 horas

Leia mais: Equatorianos mobilizados há 20 anos por desastre ambiental ainda esperam justiça

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Incidente teve início quando funcionários da Agência de Proteção Ambiental liberaram acidentalmente a água tóxica ao rio
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Rio de cor mostarda atingiu diversas cidades ao longo de 160 km
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Autoridades realizam testes para proteger fontes de água potável mas poços podem ter sido afetados
Direito de imagem BBC World Service
Image caption População foi aconselhada a ficar longe do rio, e agência faz testes para verificar possíveis danos à saúde

Autoridades têm realizado testes para proteger fontes de água potável, mas mais de mil poços podem ter sido afetados pela água amarelo-escuro, que se espalha por 160 km, até o Estado vizinho do Novo México.

A agência ambiental diz que ainda está realizando testes para verificar os danos que o vazamento pode causar à saúde e que a vida selvagem não corre "perigo significante".

O rio Animas também costuma ser usado por empresas e esportistas para atividades de canoagem – que foram suspensas até segunda ordem.

Notícias relacionadas