Autoridades chinesas são alvo de críticas por resposta a explosões

AP Direito de imagem AP
Image caption Explosões deixaram mais de 50 mortos e centenas de feridos

As explosões que mataram mais de 50 pessoas na cidade chinesa de Tianjin na quarta-feira levantaram diversos questionamentos de chineses a autoridades.

As explosões ocorreram em um depósito de materiais químicos e foram tão intensas que puderam ser vistas do espaço. Mais de 720 pessoas ficaram feridas.

Especula-se, por exemplo, que os bombeiros chamados para combater o incêndio no depósito de materiais químicos tenham usado água – que, em contato com determinados produtos químicos, pode provocar explosões.

Leia mais: Explosões matam dezenas na China e são vistas do espaço

Mas as autoridades chinesas vêm respondendo às críticas com evasivas. A transmissão de uma entrevista coletiva pela TV estatal chinesa chegou a ser interrompida após uma pergunta sobre qual seria a distância ideal entre o depósito e as áreas residenciais.

Até órgãos de imprensa controlados pelo governo, como o Global Times, disse que as explosões "levantaram questões sobre brechas" nos regulamentos de precaução de segurança e planejamento da cidade.

Essas são algumas das principais questões:

Os bombeiros estavam bem preparados?

O depósito tinha químicos e gases inflamáveis, mas as autoridades não sabem dizer ao certo o que havia no local no momento da explosão. Há informações de que a documentação do local foi destruída no incêndio.

Foram levantadas dúvidas sobre a preparação dos bombeiros. Ele teriam chegado ao local antes da segunda explosão – ainda não está claro se teriam chegado antes mesmo da primeira, tendo sido chamados apenas para combater um incêndio no local.

Ninguém sabe, por exemplo, se o material que usado para combater as chamas era apropriado – alguns produtos químicos, quando expostos à agua, podem detonar explosões.

Direito de imagem AP
Image caption Carros na região portuária foram destruídos pelas chamas
Direito de imagem Reuters
Direito de imagem Reuters

O Greenpeace, em comunicado, afirmou que as substâncias que estavam no depósito causam mais explosões quando entram em contato com água. Especialistas entrevistados pela agência de notícias Reuters disseram o mesmo.

Pelo menos 21 bombeiros morreram nas explosões.

Leia mais: Imagens mostram momento em que trem bate em plataforma na Índia

O depósito ficava perto demais de áreas residenciais?

Autoridades pediram paciência enquanto investigam as causas do incidente.

Mas isso não impediu que muitas pessoas exigissem satisfações pela internet. Muitos posts censurados nas redes sociais bradavam contra autoridades de planejamento urbano.

Direito de imagem AP
Image caption Centenas ficaram feridos
Direito de imagem AP

"Quem deixou um depósito com produtos perigosos ser construído a poucos metros de uma área residencial? Quem permitiu que tantos 'brinquedos' perigosos fossem guardados juntos? E qual departamento falhou ao não detectar uma situação tão periogosa?", dizia um post do usuário Liu Tong.

Em uma entrevista na quinta-feira, um jornalista perguntou qual deveria ser, segundo as regras ambientais, a distância entre uma área residencial e um armazém de produtos perigosos.

O chefe local do setor de meio ambiente, Wen Wurui, pareceu ter ficado sem palavras. Ninguém soube responder. Nesse momento, a CCTV, TV estatal chinesa, cortou a transmissão da entrevista.

O incidente gerou muitas críticas online. O usuário do Weibo (rede social chinesa) Parisian Taotaijun disse: "Quando os cidadãos vão saber a verdade? Todas as respostas que estão recebendo são ensaiadas, é tão falso."

O Global Times disse que a distância mínima entre empreendimentos com químicos perigosos e prédios públicos e redes de transporte deveria ser de 1km, mas dados mostram que, neste raio a partir da Ruihai Logistics, havia pelo menos três grandes áreas residenciais.

Produtos químicos poderiam ter contaminado a água?

Direito de imagem AFP
Image caption Mais de 3,5 mil moradores estão em abrigos temporários
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Polícia paramilitar está sendo usada para limpar a área

Há informaçoes de que 700 toneladas de cianeto de sódio estavam estocadas no depósito que explodiu. Isso suscitou preocupação sobre contaminação da água.

"Se essa questão não for abordada em breve, pode ser até pior que a explosão em si", disse o usuário do Weibo Tao Weng WT em outro post censurado.

Autoridades desmentiram relatos de que os níveis de cianeto de sódio detectados perto de bueiros teriam subido.

O governo também disse que a área está isolada e que qualquer substância periogosa está contida no local, em resposta a perguntas de jornalistas sobre possíveis vazamentos.

Existe risco de poluição pelo ar?

Direito de imagem AFP
Image caption Autoridades chinesas tiveram dificuldades em esclarecer se há riscos à população

Jornalistas na quinta-feira perguntaram se poluentes lançados no ar pela explosão representavam riscos à saúde.

Também questionaram se os poluentes chegariam a outras cidades – como a capital Pequim, a 100km de Tianjin.

O governo teve dificuldades para responder às questões.

No fim, acabaram dizendo que um vento do sudoeste estava soprando poluentes das áreas povoadas para o mar, e que apesar de as partículas no ar serem perigosas, "até o momento observamos que a poluição não alcançou níveis muito altos".

Direito de imagem BBC World Service