IAAF impediu publicação de estudo sobre doping de atletas, diz jornal britânico

(AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Realizada em 2011, pesquisa revelava que um terço dos atletas de elite do mundo haviam violado regras antidoping

A IAAF (Associação Internacional de Federações de Atletismo) impediu a publicação de um estudo no qual até um terço dos atletas de elite do mundo confessava ter violado regras antidoping, afirmou o jornal britânico The Sunday Times em sua edição deste domingo.

Segundo a reportagem, a acusação partiu de pesquisadores ligados à Universidade de Tubingen, na Alemanha, a quem os atletas teriam feito a confissão em 2011.

A IAAF alegou que não divulgou a pesquisa porque as discussões sobre sua publicação ainda estavam "em andamento".

Em nota enviada ao jornal, a universidade informou que o "estudo é um projeto de pesquisa científica independente e que não havia sido comissionado pela IAAF".

"A decisão da IAAF de atrasar sua publicação por tanto tempo sem qualquer justificativa plausível é um grave atentado à liberdade de expressão".

O órgão esportivo, no entanto, limitou-se a afirmar que "as discussões ainda estão em andamento com a equipe de pesquisadores e o Wada (Agência Mundial Antidoping, o outro parceiro do projeto) sobre a publicação do material".

Quatro anos atrás, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tubingen entrevistou centenas de atletas durante o campeonato mundial, em Daegu, na Coreia do Sul.

Segundo a reportagem do Sunday Times, o estudo concluiu que 29% a 34% dos 1,8 mil atletas haviam violado as regras antidoping nos 12 meses anteriores.

Um mês depois de coletar a informação, os pesquisadores foram obrigados a assinar um acordo de confidencialidade pelo qual não poderiam falar publicamente sobre o assunto, acrescentou o jornal.

O Sunday Times e a emissora alemã ARD/WDR tiveram acesso a uma cópia integral do estudo.

"Essas descobertas demonstram que o doping está consideravelmente difundido entre os atletas de elite, e permanece em grande parte sem ser aferido apesar dos atuais testes biológicos", conclui a pesquisa.

Leia mais: Testes sugerem doping em 1/3 de medalhistas de meia e longa distância

'Testes suspeitos'

Direito de imagem Getty
Image caption IAAF podia vetar publicação, como contrapartida por ter permitido acesso de pesquisadores a atletas

As descobertas são similares às revelações que o jornal fez há cerca de 15 dias, quando teve acesso aos resultados de 12 mil exames de sangue de 5 mil atletas.

Dois especialistas antidoping de renome constataram que, entre 2001 e 2012, um terço das medalhas, incluindo 55 ouros, foram conquistados em provas de resistência nas Olimpíadas e nos Campeonatos Mundiais por atletas com "testes suspeitos".

Na ocasião, a IAAF afirmou que as descobertas continham afirmações imprecisas.

O estudo da universidade de Tubingen foi financiado através de um aporte de 50 mil libras (R$ 273 mil) da Wada que pretendia descobrir a extensão do uso de drogas e métodos para melhorar o desempenho. A pesquisa foi conduzida por 10 cientistas, incluindo dois britânicos.

Embora não tenha tido qualquer envolvimento direto com o estudo, a IAAF podia vetar a publicação como contrapartida por ter permitido o acesso dos pesquisadores aos atletas em Daegu.

Alguns dos dados chegaram a ser publicados pelo jornal americano The New York Times há dois anos, mas a IAAF conseguiu barrar a publicação do estudo completo, informou o Sunday Times.

O responsável pela pesquisa, Rolf Ulrich, da Universidade de Tubingen, afirmou ao jornal britânico que ele e seus colegas foram impedidos de discutir o trabalho que haviam realizado.

Questionado sobre por que o estudo jamais foi publicado, ele disse: "Por causa do impedimento da IAAF. Eles controlam a Wada e, por isso, bloquearam o acesso ao material".

Notícias relacionadas