Polícia da Tailândia diz que atentado foi obra de 'rede'

Suspeito de atentado em Bangcoc Direito de imagem ROYAL THAI POLICE
Image caption A polícia divulgou o retrato detalhado do suspeito nesta quarta-feira

A polícia da Tailândia divulgou o retrato do principal suspeito do ataque que matou 20 pessoas no templo Erawan, em Bangcoc, na segunda-feira.

Investigadores acreditam que o homem – que vestia uma camisa amarela e aparece deixando uma mochila em um banco do santuário – faça parte de uma "rede".

O primeiro-ministro tailandês, Prayuth Chan-ocha, disse que o atentado foi o "pior de todos" na história do país.

Veja mais: Ataque deixa dezenas de mortos na Tailândia; veja o momento da explosão

Leia mais: 'Vi corpo partido ao meio', diz testemunha de ataque em Bangcoc

O templo, um ponto importante da capital da Tailândia, popular entre turistas e fieis budistas, foi reaberto nesta quarta-feira.

O chefe da polícia de Bangcoc, Somyot Poompanmoung, afirmou à agência de notícias Associated Press nesta quarta-feira que o ataque foi obra de mais de uma pessoa.

Direito de imagem AFP
Image caption A polícia tenta encontrar o homem que aparece nesta foto e poderia estar envolvido no ataque

"Ele não o planejou sozinho, com certeza", disse Poompanmoung, se referindo ao suspeito número um.

"Isto é uma rede."

O templo foi reaberto às 8h, no horário local (22h, em Brasília), e os primeiros visitantes levaram buquês de flores e acenderam incenso diante da estátua levemente danificada do deus hindu Brahma.

Leia mais: Novo método para classificação de países acaba com conceito de 'emergentes'

Uma repórter da BBC afirmou que não há um grande aparato policial no local, e que os visitantes não passam por qualquer revista na entrada.

A jornalista afirmou que autoridades só conseguiram acabar de recolher os despojos humanos dos arredores do templo nas primeiras horas de quarta-feira.

O correspondente da BBC na Tailândia, Stephen Evans, afirmou que as autoridades tinham a intenção de "mandar um recado" com a reabertura do templo.

A maior parte das vítimas do atentado era de tailandeses, mas entre elas estão também cidadãos de China, Hong Kong, Malásia e Cingapura.

Leia mais: De Guaianazes a Salzburgo: O garoto da periferia de São Paulo que estudará violoncelo na terra de Mozart

Até o momento, nenhum grupo se responsabilizou pelo ataque.

Direito de imagem AFP
Image caption O homem foi flagrado em vídeo entrando no templo com uma mochila, mas saiu de lá sem ela

Um porta-voz do governo militar tailandês, Weerachoon Sukhontapatipak, disse à BBC que as autoridades estão "bem perto" de identificar o principal suspeito, flagrado por câmeras de segurança no entorno do templo.

O general Sukhontapatipak disse que não se descartam quaisquer motivos e que o homem não aparenta ser tailandês. Na terça-feira, o militar também destacou que o ataque parece ser "bem diferente" de outros atentados a bomba realizados por separatistas islâmicos no sul do país.

Ele afirmou que o ataque prova que "ainda existe uma pessoa - ou um grupo - hostil ao país operando livremente".

"Eles podem ter motivação política ou estar tentando minar a nossa economia ou turismo por outras razões", disse o general, segundo o jornal Bangkok Post.

O suspeito número um foi visto no entorno do templo com uma mochila escura nas costas. Outras imagens mostram ele deixando a mochila num banco do santuário.

Mais tarde, ele foi filmado deixando o local sem a bolsa nas costas.

Direito de imagem BBC World Service