O método alemão de relaxamento que conquistou executivos

Thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Uma das vantagens do treinamento autógeno é que exercícios podem ser feitos na mesa de trabalho

Pode parecer estranho acordar e logo começar a conversar consigo mesmo, repetindo frases como “Meus braços e pernas estão pesados. Meus braços e pernas estão aquecidos. Meu coração está calmo e batendo normalmente”.

Mas este é exatamente o tipo de pensamentos enunciados pelas pessoas que praticam o treinamento autógeno – uma terapia de auto-sugestão que, acredita-se, reduz o estresse e melhora a concentração.

Em sessões de 15 minutos ou menos, o praticante segue uma espécie de roteiro, mentalizando diferentes partes do corpo e instruindo músculos – como os do pescoço, dos braços e das pernas – a relaxar e se reoxigenar.

Especialistas acreditam que quem se dedica à terapia regularmente por longos períodos de tempo consegue entrar em relaxamento profundo ao se concentrar em alguma parte do corpo e repetindo uma das frases.

Katja Engelskirchen, ex-executiva que procurou o treinamento autógeno após uma crise e hoje dá aulas da terapia nos arredores de Frankfurt, na Alemanha, recomenda o método para pessoas que estão procurando maneiras de contrabalançar o estresse psicológico, espantar preocupações ou ter mais controle sobre uma vida sobrecarregada.

O treinamento autógeno foi criado nos anos 1930 por Johannes Heinrich Schultz, psiquiatra alemão que estudou hipnose clínica e técnicas de meditação oriental.

Leia mais: Trabalhar muitas horas aumenta risco de derrame, diz estudo

Segundo especialistas, a terapia ajuda as pessoas a relaxar profundamente em um curto período de tempo porque elas se condicionam a responder a suas próprias instruções verbais.

Na Alemanha, o método é tão popular que suas primeiras noções já são ensinadas a crianças em idade pré-escolar.

Fácil de fazer

Uma das vantagens do treinamento autógeno é que os exercícios podem ser feitos na mesa de trabalho, em algum canto tranquilo do escritório ou até no carro.

Konstanze, uma adepta do método que mora em Frankfurt e que preferiu não revelar seu sobrenome, conta que faz a prática várias vezes por semana desde a adolescência.

“Aos 16 anos, eu tinha dificuldade para respirar quando fazia educação física, e os médicos me recomendaram a técnica”, lembra. “No início, parecia uma grande bobagem. Mas aos poucos fui percebendo as diferenças. Hoje, quando pratico os exercícios, me sinto muito mais relaxada e com energia de sobra.”

Leia mais: Por que algumas pessoas ficam doentes nas férias?

Para Konstanze, outra enorme vantagem do treinamento é conseguir se desligar totalmente do trabalho quando não está no escritório. “Esse método nos ajuda a cortar o intenso fluxo de pensamentos e preocupações ao levar a mente a se concentrar em algo banal, como os dedos dos pés”, explica.

‘Enorme potencial de cura’

Else Müller, especialista em prevenção do estresse, acredita que ter “a cabeça cheia” é algo que se tornou parte do cotidiano e que o estresse se tornou um grande problema de saúde pública.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Para especialista em prevenção do estresse, método tem grande potencial de cura

Autora de 17 livros sobre técnicas de relaxamento e consultora em empresas multinacionais, Müller desenvolveu sua própria versão das técnicas de Schulz, “modernizando” o treinamento autógeno e tornando-o mais fácil de ser aprendido.

Seu método, chamado de Treinamento Autógeno Inovador (IAT, na sigla em inglês), difere da abordagem de Schulz porque combina visualização com as frases de auto-sugestão. Por exemplo, se alguém quer se sentir mais aquecido, basta evocar a imagem do sol; ou se o objetivo é se acalmar, a pessoa pode imaginar nuvens levando suas preocupações para longe.

“Temos um enorme potencial para curarmos a nós mesmos. Só precisamos aprender a abrir o caminho para essa mentalização e utilizá-la”, afirma Müller.

Terapia polêmica

Mas nem todos os especialistas em carreira estão convencidos de que o treinamento autógeno funciona. Para Isabel Bommer, palestrante motivacional e consultora de executivos, as técnicas meditativas não dão ao corpo a total liberdade para responder com sua sabedoria interna.

“Todos os sentimentos são refletidos fisicamente, e se você os direciona com um excesso de exercícios meditativos, corre o risco de não experimentar suas próprias emoções”, afirma ela. “Os sentimentos querem ser sentidos. Seu corpo sabe como liberar a tensão. Ele não precisa ser direcionado como acontece no treinamento autógeno.”

Ainda assim, pesquisas acadêmicas independentes comprovaram que o método alemão pode melhorar o desempenho profissional de quem o adota. Helen Gibbons, psicóloga e fundadora do Instituto de Treinamento Autógeno, na Austrália, cita um estudo da Nasa que indicou que a terapia pode melhorar a reação de pilotos em situações de emergência.

Em um artigo intitulado The 6 Hour Solution to Work Stress (“Como combater o estresse do trabalho em seis horas”, em tradução livre), Gibbons argumenta que os benefícios do treinamento autógeno puderam ser medidos em pacientes através de exames neurológicos e cardiovasculares.

Para ela, aprender a regular as reações psicológicas e fisiológicas do corpo pode criar mudanças profundas que melhoram a saúde e o desempenho profissional.

Por isso, da próxima vez que escutar um colega do escritório conversando com seus braços e pernas, não o julgue. Ele pode se tornar o seu próximo chefe.

Leia mais: Por que é tão difícil simplificar a vida?

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site da BBC Capital