Professor é preso após admitir ter filmado mais de 100 alunos com câmera escondida

BBC
Image caption Thomson-Glover fez imagens de suas vítimas durante um período de 16 anos

Um ex-professor foi preso depois de admitir que filmou mais de 120 alunos usando câmeras escondidas nas paredes de um colégio interno do sudoeste da Inglaterra.

Jonathan Thomson-Glover, de 53 anos, afirmou que fez as imagens no Clifton College, de Bristol, e também em um outro endereço, na Cornualha.

As vítimas tinham entre 12 e 17 anos e foram filmadas dentro da escola durante um período de 16 anos.

Thomson-Glover foi condenado a três anos e nove meses de prisão.

Além disso, a Justiça determinou que o nome dele fosse incluído em um registro de criminosos sexuais por um período indeterminado e proibido de trabalhar com crianças.

Fitas de VHS

A polícia encontrou mais de 300 fitas de VHS que incluíam mais de 2,5 mil horas de vídeos.

Segundo a Promotoria, o material contém imagens de mais de 130 jovens.

A detetive Andrea Kingdon, da Polícia de Devon e Cornualha, afirmou que algumas das imagens feitas por Thomson-Glover são de meninas, meninos e adultos, tomando banho, trocando de roupa, usando o banheiro e, em alguns casos, "conduzindo atos privados".

Image caption O Clifton College, fundado em 1862, afirmou que vai rever suas medidas de segurança e revistar os prédios para checar se sobraram câmeras

O ex-professor admitiu ser culpado de 36 acusações de produzir e possuir imagens indecentes de crianças. Mas não há provas de que Thomson-Glover tenha compartilhado as imagens ou que ele tenha se comportado de forma "imprópria" em relação a alguma criança.

"O jeito como ele se portou é repugnante, é um gigantesco abuso de confiança, uma invasão de privacidade... (...) Quando tivemos que abordar estas vítimas, é algo que surge de repente e eles reagiram de formas diferentes, desde muita raiva até uma grande decepção", acrescentou a policial.

Leia mais: Bombeiro britânico é condenado por estuprar menina que havia acabado de salvar

O pai de uma vítima de 14 anos afirmou que Thomson-Glover passava a impressão de ser completamente "ignorante" em relação à tecnologia, algo que "obviamente ele não era".

"Ele era muito cativante. (...) Vivia e respirava o colégio. Mas havia um sentimento geral de que ele era próximo demais dos jovens", afirmou.

Thomson-Glover foi preso em agosto de 2014 depois que a Agência Nacional de Combate ao Crime da Grã-Bretanha descobriu que o endereço IP do computador do ex-professor tinha sido usado para baixar imagens indecentes de crianças.

O Clifton College, onde Thomson-Glover dava aulas, é uma instituição de ensino tradicional da Inglaterra, fundada em 1862 e cujo custo anual por aluno chega a 30 mil libras (mais de R$ 165 mil).

Em comunicado, a direção da escola afirmou estar "chocada e indignada" com o "abuso de confiança" e tomou medidas para garantir a segurança dos alunos, além de analisar os sistemas de tecnologia da escola e ter realizado buscas para descobrir se havia mais câmeras escondidas.

Leia mais: Na Alemanha, campanha pede que pedófilos se revelem e busquem tratamento

Leia mais: Pais subestimam riscos da internet, diz especialista no combate à pedofilia