Editora alemã disponibiliza dicionário online gratuito para receber refugiados

Refugiado sírio aprende idioma alemão | Foto: Getty Direito de imagem Getty
Image caption Alemanha espera receber quatro vezes mais sírios este ano do que em 2014

Em apoio ao movimento de recepção aos refugiados sírios que chegaram à Alemanha nas últimas semanas, a editora Langenscheidt, que produz o principal dicionário de língua alemã do mundo, disponibilizou gratuitamente o seu dicionário de árabe online.

"Para todos os que estão ajudando refugiados em todo o país: Nosso dicionário online árabe-alemão/alemão-árabe agora está completo, com um guia de pronúncia! É gratuito e não é necessário login no site. #refugeeswelcome", escreveu a editora em sua página no Facebook.

Nas redes sociais alemãs, a hashatg #refugeeswelcome (Bem-vindos, refugiados) vem sendo usada para simbolizar o apoio aos sírios buscam refúgio no país. Desde 2011, quando teve início a guerra civil na Síria, a Alemanha recebeu mais de 65 mil sírios – é o país que mais os acolheu no continente europeu.

Nesta terça-feira, o vice-chanceler alemão Sigmar Gabriel afirmou que o país consegue lidar com pelo menos 500 mil refugiados por ano durante alguns anos.

A Alemanha espera receber mais de 800 mil pessoas em busca de asilo somente em 2015 – quatro vezes mais do que em 2014.

Gabriel disse, no entanto, que outros países europeus devem compartilhar a responsabilidade pelos refugiados. O país tem defendido um sistema de cotas para que os países do bloco se dividam ao receber os refugiados.

Leia mais: Austríacos recebem refugiados com doações de roupas e sapatos

Leia mais: Brasil acolhe mais sírios que países na rota europeia de refugiados

O movimento de doações, voluntariado e ações para ajudar os refugiados ganhou força pela preocupação com a violência de grupos de extrema direita, que se opõem à concessão de asilo a estrangeiros no país.

Segundo a revista alemã Der Spiegel, o Ministério do Interior alemão registrou 173 casos de ataques a hotéis que hospedam refugiados no país no primeiro semestre deste ano, quase três vezes mais do que o mesmo período em 2014.

Direito de imagem Getty
Image caption Voluntários têm organizado aulas para migrantes em cidades alemãs

'Amigo'

A ideia de abrir o dicionário alemão-árabe/árabe-alemão ocorreu na última semana de agosto. Desde então, segundo o chefe do departamento digital da Langenscheidt, Eckhard Zimmermann, a ação nas redes sociais teve cerca de 400 mil interações, entre cliques, curtidas e compartilhamentos.

Na primeira semana depois de tornar-se gratuito, o dicionário teve 40 mil visitantes.

"Primeiro, tivemos a ideia de abrir o dicionário com um código especial de acesso na parte paga do nosso site, que tem mais conteúdo, e oferecemos o código a nossos seguidores nas redes sociais. Depois, resolvemos disponibilizá-lo na parte gratuita do site, sem a necessidade do código", disse Zimmermann à BBC Brasil, em entrevista por telefone.

"Foi um evento muito grande para nós. Já recebemos muitos pedidos para dar dicionários de graça, mas essa foi a primeira vez que trabalhamos junto com a comunidade. Foi incrível."

A urgência da crise fez com que o processo de incorporar um novo dicionário ao site aberto, que costuma levar pelo menos três semanas, fosse feito em apenas um dia, de acordo com Zimmermann.

Leia mais: Comboio de alemães e austríacos cruza fronteira para dar carona a imigrantes

Leia mais: Iniciativas estimulam alemães a abrigar refugiados em suas casas

Image caption "Amigo" e "como vai você" são as algumas das traduções mais populares do alemão para o árabe

"Descobrimos que três quartos das pessoas que acessaram o dicionário de árabe são provavelmente os (alemães) que apoiam a vinda dos refugiados, porque eles acessam o dicionário alemão-árabe. Mas um quarto é provavelmente de refugiados, que acessam o árabe-alemão", afirma.

Alguns dias depois da ação, a editora publicou em sua página no Facebook uma lista das 25 traduções mais buscadas do alemão para o árabe, que incluíam: olá, bom dia, seja muito bem-vindo, obrigado, casa, amor, como vai você?, comida, procurar, escola, por favor, amigo, ajuda e eu amo você.

"É interessante porque todas as palavras são muito amigáveis e mostram a cultura acolhedora que temos na Alemanha. O que aconteceu em Munique no fim de semana também é prova disso", diz Zimmermann.

No último sábado, chegaram à Munique, no sul da Alemanha, centenas de refugiados vindos da Hungria e da Áustria. Alemães aplaudiram e ofereceram doces aos migrantes que desembarcaram na estação de trem.

"Nossa ação é apenas um dos exemplos que mostram que o movimento de acolher os refugiados é da maioria. As ações de extrema direita são coisas menores. As massas mostram o que os alemães realmente pensam disso."

Leia mais: Refugiados chegam à Alemanha após calvário pela Hungria e Áustria

Image caption Palavras mais buscadas no dicionário árabe-alemão incluem "pão" e "acolher"

Outras línguas

A editora também publicou também as 25 palavras mais buscadas do árabe para o alemão, entre elas: olá, obrigado, casa, amor, refugiado, livro, carro, água, retorno, acolher, comer, escola e pão.

Entre os planos da editora, de acordo com Zimmermann, está disponibilizar para download gratuito partes de um livro de frases em alemão que podem ajudar os novos habitantes do país na adaptação à cultura local.

No Facebook, os posts da editora sobre a ação foram inundados de comentários, principalmente de alemães, parabenizando a ação e contando suas histórias com imigrantes.

"Essa ação é tão grandiosa da parte de vocês. Nosso novo amigo sírio já me escreve SMS em alemão, graças à ajuda de vocês. Curti muito!", diz uma das respostas.

"Obrigada. Este será meu próximo idioma...", afirma outra alemã.

Alguns leitores, no entanto, já cobram mais ações por parte da empresa: "Há dicionários de outras línguas? Não há só refugiados que falam árabe vindo para cá."