EUA veem indício de fabricação e uso de armas químicas pelo 'EI' na Síria e no Iraque

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Uma autoridade americana disse à BBC que os Estados Unidos já identificaram pelo menos quatro ocasiões em que o grupo autodenominado "Estado Islâmico" usou gás mostarda em ataques na Síria e no Iraque.

De acordo com ele, o governo americano está cada vez mais convicto de que o grupo radical está produzindo e usando armas químicas.

Segundo a fonte, o chamado gás mostarda - que, em temperatura ambiente, é líquido - está sendo usado na forma de pó.

Na fronteira entre Turquia e Síria, o repórter da BBC Ian Pannell encontrou indícios que sustentam essa afirmação.

Leia mais: BBC mostra destruição na Síria que refugiados deixam para trás

OS EUA acreditam que o grupo tem uma célula dedicada a construir essas armas e está provavelmente adicionando-as a explosivos convencionais, como morteiros.

"Eles estão usando mostarda", disse a autoridade americana. "Sabemos que estão. Vimos eles fazendo isso em pelo menos quatro situações diferentes nos dois lados da fronteira, no Iraque e na Síria."

Quando essa armas explodem, a poeira de gás mostarda causa bolhas em quem está exposto a ela.

Leia mais: 'Espetáculo de cadáveres em praias europeias' era previsto, diz brasileiro da ONU

Direito de imagem AP
Image caption Militantes do 'Estado Islâmico" controlam grandes partes do território da Síria e do Iraque

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O que é o agente mostarda?

O termo "gás mostarda" costuma ser usado para descrever o agente, mas ele é líquido em temperatura ambiente.

Ás vezes, ele tem cheiro - como alho, cebola e mostarda -, às vezes não. Pode ser amarelo claro ou marrom.

As pessoas podem ser expostas através de contato pela pele, olhos e respiração, se ele for lançado no ar como vapor. Se estive em estado líquido ou sólido, além do contato com a pele pode haver consumo.

A substância causa bolhas na pele e nas mucosas.

Apesar de a exposição ao gás não costumar ser fatal, não há tratamento ou antídoto, o que significa que ele precisa ser removido do corpo completamente.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A autoridade disse que a inteligência americana acredita que a explicação mais plausível para o uso deste tipo de arma é que os militantes estejam fabricando o gás mostarda.

"Avaliamos que eles têm uma pequena célula ativa de pesquisa em armas químicas e que estão se esforçando nisso", disse.

A autoridade disse que não é difícil aprender a fabricar gás mostarda.

Leia mais: 'Que diferença faz morrer na Síria ou no mar?', diz refugiado que tentou nadar até a Grécia

É pouco provável que militantes tenham encontrado o agente químico no Iraque, de acordo com ele, porque o Exército americano provavelmente teria descoberto durante o período em que manteve presença ostensiva no país.

A fonte também praticamente descartam a hipótese de os militantes terem roubado os químicos do governo da Síria antes que o regime fosse forçado a a entregá-las, após ameaça de ataques aéreos americanos em 2013.

Direito de imagem Getty
Image caption Contato com gás mostarda pode causar irritação nos olhos e bolhas na pele

Oficialmente, o governo dos EUA continua dizendo que investiga as denúncias de uso de armas químicas no Iraque e na Síria, mas a fonte disse à BBC que muitas agências de inteligência agora acreditam que há evidências suficientes para confirmar as denúncias.

A fonte pediu para não ser identificada porque não está autorizada a falar sobre isso oficialmente.

Acordo

A Síria deveria ser um local livre de armas químicas após um acordo feito com apoio da ONU. O governo do país entregou mais de 1.180 toneladas de agentes tóxicos e químicos para a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

O processo começou em outubro de 2013 e terminou em junho do ano passado.

Mais de 200 mil pessoas morreram de que o início da guerra civil na Síria, após protestos antigoverno no início de 2011. Uma pequena parcela teria morrido devido ao uso de armas químicas.