Cinco pontos para prestar atenção na visita do papa a Cuba

Direito de imagem Reuters
Image caption Em carro aberto, papa Francisco percorre caminho no sábado entre o aeroporto e a embaixada do Vaticano em Havana. Passagem foi vista por 100 mil pessoas, segundo a Santa Sé

O papa Francisco desembarcou no sábado em Cuba para sua primeira visita ao país.

A viagem ocorre poucas semanas após a retomada dos laços diplomáticos entre Havana e Washington, em processo impulsionado pelo pontífice.

Além de Havana, onde neste domingo ele celebra uma missa na Praça da Revolução, Francisco irá a Holguín e a Santiago de Cuba. O giro se encerra na terça-feira, quando ele parte para os Estados Unidos.

Leia também: Após reaproximação com Cuba, conheça os 3 países que ainda não têm relações com os EUA

A BBC Brasil listou cinco dos principais pontos da visita do primeiro papa latino-americano à ilha caribenha.

1. Reaproximação com os Estados Unidos

Os governos de Cuba e dos Estados Unidos disseram que Francisco foi crucial na reaproximação que levou à retomada das relações diplomáticas entre os dois países.

Autor da biografia "O Grande Reformista: Francisco e a construção de um papa radical", o jornalista britânico Austen Ivereigh disse à BBC Brasil que o pontífice deu o pontapé inicial no processo há pouco mais de um ano, quando enviou cartas a Raúl Castro e Barack Obama.

Direito de imagem BBC Brasil
Image caption Morador de Havana passa em frente à cartaz alusivo à visita do papa; pontífice estará até terça-feira na ilha

"Adoraria saber o que estava escrito naquelas cartas, mas foi o suficiente para aproximá-los. Deve ter sido um apelo muito profundo para uma visão de futuro."

Para Ivereigh, a visita atual do papa leva o processo a outro patamar, já que ele viajará aos EUA em seguida.

Leia também: Por dentro do Granma, o jornal do Partido Comunista de Cuba que não mudou desde a Guerra Fria

Em Cuba, Francisco deverá ouvir apelos para que tente convencer o Congresso americano a derrubar o embargo econômico à ilha caribenha, que continua em vigor apesar da retomada do diálogo. Ele discursará a congressistas em Washington na quinta-feira.

Em Holguín, Francisco poderá tratar de outro tema sensível aos dois países: a base americana de Guantánamo. O governo cubano exige a devolução do território, ocupado pelos Estados Unidos em 1898, após a Guerra Hispano-Americana.

Holguín é uma das cidades cubanas mais próximas da base.

2. Presos cubanos

Um dos pontos mais sensíveis na relação entre a Igreja Católica e Cuba é a questão dos presidiários cubanos.

Direito de imagem AFP
Image caption Papa Francisco e o líder cubano, Raúl Castro, durante primeiro dia da visita do pontífice

Representantes da igreja e de organizações de direitos humanos criticam Cuba pelas condições de suas prisões e o tamanho de sua população carcerária.

Na semana passada, o governo acenou ao pontífice ao indultar 3.522 pessoas encarceradas por delitos leves.

Leia também: Caçadores de tesouros encontram US$ 4,5 milhões em moedas de ouro em galeão espanhol do século 18

Após vários anos sob cobrança para que divulgasse dados sobre suas prisões, o governo anunciou em 2012 que havia 57 mil detentos no país.

O número equivale a 518 presos por 100 mil habitantes, índice que supera o do Brasil (300 por 100 mil) e só é menor do que o dos Estados Unidos (698 por 100 mil).

3. Abertura econômica

Em célebre discurso durante a primeira viagem de um pontífice a Cuba, em 1998, o papa João Paulo 2º pediu que Cuba se abrisse ao mundo e que o mundo se abrisse a Cuba.

Direito de imagem Reuters
Image caption Jovens na recepção ao papa na chegada a Havana

Segundo o teólogo Frei Betto, a frase "foi muito importante para melhorar as relações de Cuba com muitos países do mundo", especialmente europeus.

Espera-se que Francisco reforce o discurso do pontífice polonês, que teve destacada atuação pelo fim do comunismo na Europa Oriental.

Cuba tem tentado atrair investimentos externos, mas empresários estrangeiros cobram reformas que diminuam a burocracia e a participação do Estado nos empreendimentos.

4. Abertura política

Segundo o bispo auxiliar da capital cubana, Juan de Dios Hernandez, Francisco tem crédito de sobra com o governo cubano para abordar mesmo os temas mais delicados.

Direito de imagem BBC Brasil
Image caption Orla da capital cubana, Havana; em discurso, papa fez menção discreta a dissidentes do regime

Um deles poderá ser a sucessão do presidente Raúl Castro, no poder desde 2008 e que assumiu após quase cinco décadas de governo do seu irmão Fidel.

Em discurso neste sábado ao lado de Raúl, Francisco fez uma referência sutil a dissidentes do regime ao se desculpar a pessoas que não encontrará na visita "por diferentes motivos".

Leia também: Fotos aéreas mostram Cuba desconhecida

Acredita-se que o presidente, hoje com 84 anos, ficará no cargo até 2018, mas um processo de transição poderá se iniciar em abril, quando o ocorre o próximo congresso do Partido Comunista de Cuba, também presidido por Raúl.

Analistas dizem que ele pode deixar a presidência do partido no congresso. Um dos mais cotados para assumir seu posto e, posteriormente, a presidência cubana, é o vice-presidente Miguel Diáz-Canel, de 55 anos.

5. Sincretismo

"Embora sejam muito religiosos, os cubanos não são propriamente católicos", diz o teólogo brasileiro Frei Betto.

Ele afirma que grande parte da população cubana se identifica com o papa e a Igreja Católica, mas pratica uma fé com muitas influências africanas, que tem na santería sua principal expressão.

Direito de imagem AFP
Image caption Fieis marcham em procissão à Virgem da Caridade, padroeira de Cuba

Antecessor de Francisco, o papa Bento 16 (2005-2013) condenou o sincretismo. Em visita ao Brasil em 2010, ele se disse preocupado com "tudo o que possa ofuscar o ponto mais original da fé católica".

Para Austen Ivereigh, que escreveu uma biografia de Francisco, o pontífice atual tem outras visões sobre o tema.

"Acho que Francisco sempre teve a visão de que, se essa é a fé das pessoas, devemos procurar Deus ali."

Segundo ele, o maior desafio em Cuba não são as crenças afrocaribenhas, mas aumentar o número de discípulos que praticam o catolicismo de maneira mais sistemática.

"A questão é: eles podem fazer isso antes que Cuba mude tanto? O medo da igreja é que, ao se abrir economicamente, Cuba possa ser tomada por valores de individualismo e consumismo antes de ter a chance de abraçar o evangelho."