Austrália nega visto a Chris Brown por ‘histórico de violência doméstica’

(AFP) Direito de imagem Reuters
Image caption Cantor pop terá 28 dias para recorrer de decisão; ele deveria cumprir turnê pelo país em dezembro

O cantor pop americano Chris Brown teve o visto temporariamente negado para se apresentar na Austrália por causa de seu 'histórico de violência doméstica'.

O artista deveria cumprir turnê pelo país em dezembro, e os ingressos começariam a ser vendidos já nesta segunda-feira.

Ele tem agora 28 dias para apelar contra a decisão.

Em 2009, Chris Brown se declarou culpado de agredir sua então namorada, a também cantora pop Rihanna. Desde então, ele já esteve na Austrália duas vezes, mas o governo do país vinha sofrendo pressão para impedir sua entrada dessa vez.

O departamento de imigração da Austrália emitiu um "aviso de intenção de considerar a recusa" do visto, afirmou o ministro da Imigração do país, Peter Dutton. Na prática, porém, trata-se de uma negativa por ora à concessão do documento.

Direito de imagem AFP
Image caption Em 2009, Brown se declarou culpado de agredir então namorada, a também cantora pop Rihanna

O cantor tem 29 dias para apresentar sua defesa sobre por que deveria receber o visto. Ao fim do período, será tomada uma decisão, informou o governo australiano.

Segundo a ministra para as Mulheres da Austrália, Michaelia Cash, que até recentemente atuava como ministra-assistente para Imigração, pediu a Dutton para tomar uma posição sobre o assunto.

"As pessoas precisam entender...se você está cometendo violência doméstica e quer viajar pelo mundo, haverá países que vão lhe dizer: ‘Você não é bem-vindo porque você não é o tipo de pessoa que queremos na Austrália", afirmou a ministra.

A decisão sobre a concessão do visto a Brown ocorre após outra deliberação do governo, no início deste ano, de recusar emitir o documento ao campeão de boxe Floyd Mayweather por motivos semelhantes.

Na ocasião, Mayweather havia sido contratado para participar de jantares e de eventos em casas noturnas nas cidades de Sydney e Melbourne.

A vizinha Nova Zelândia já anunciou que Brown não é bem-vindo no país.

Leia também: Após suicídio de filho, britânica quer 'violência doméstica' em escolas

Notícias relacionadas