Mel, hermetismo e ópio: a estrutura do Talebã

(BBC)
Image caption Grupo extremista ganhou fama mundial em 2001; desde então perdeu poder, mas continuar a controlar partes do Afeganistão

O que acontece com um grupo extremista depois da morte de seu líder? Depende.

No caso do Talebã, sabe-se pouco sobre como se deu o processo de sucessão interna após a morte do mulá Omar ter sido confirmada, em julho deste ano.

Há indícios de divisões internas e multiplicam-se incertezas sobre como se reorganizou a cúpula do grupo extremista ─ que ganhou fama mundial em 2001 após os atentados de 11 de Setembro e ainda controla algumas áreas do país.

Mas, nesta semana, o Talebã anunciou seu novo líder: o mulá Akhtar Mansour.

E o anúncio foi acompanhado de uma vitória militar importante: a tomada da cidade de Kunduz, no norte do Afeganistão, na última segunda-feira.

Depois de meses de investigação e com a ajuda de vários especialistas, a BBC conseguiu descobrir como se estrutura atualmente o grupo extremista, revelando não só como ele se financia, mas também como se reorganizou após a morte de um de seus principais fundadores e líderes históricos.

Os detalhes trazido à tona são em parte surpreendentes.

Segundo um relatório produzido por Barnett Rubin, analista internacional e membro do Centre on International Cooperation, centro de estudos ligado à Universidade de Nova York, a venda de mel foi uma das formas que o Talebã encontrou para arrecadar recursos.

"A rede Haqqani (grupo ligado ao Talebã) tem negócios no Afeganistão, Paquistão e em outros países do Golfo Pérsico entre os quais está incluída a venda de mel de abelha", explicou Rubin.

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook

A unidade do Talebã acabou?

Uma das principais características do Talebã é que durante os anos de atividade sob o comando do mulá Omar o grupo extremista nunca apresentou sinais de divisão interna.

Nesta semana, apontu que pretende seguir por esse caminho ao demonstrar apoio unificado à sua nova liderança, o mulá Mansour.

"O Talebã é um grupo altamente ideológico e essa é a razão pela qual (seus integrantes) permaneceram unidos até agora. Eles obedecem plenamente as ordens do emir", disse à BBC Waheed Mozhda, analista internacional do Ministério das Relações Exteriores afegão.

"Eles têm consciência de que são mais fracos que os rivais e de que, uma vez divididos, poderiam ser facilmente derrotados por seus inimigos", acrescentou.

Outro fator importante é que a unidade faz parte dos princípios ideológicos do grupo.

Direito de imagem EPA
Image caption Talebã anunciou nova liderança: Mulá Mansour

Leia também: De onde vem a força dos grupos radicais islâmicos?

"O Talebã foi fundado para pôr fim a facções. Dessa forma, mesmo que haja diferença de opiniões, eles nunca se organizam em facções. Todo mundo obedece às determinações do mulá", explicou.

Os dissidentes, por sua vez, deixam o grupo ou são expulsos e logo perdem a influência sobre os outros membros, afirmou o especialista.

"Ninguém quer ter mais voz dentro do grupo. Eles só competem por status, dinheiro ou poder", acrescentou Mozhda.

Como o Talebã se financia?

Direito de imagem Getty
Image caption Talebã tentou assassinar ativista paquistanesa Malala Yousafzai

Uma das revelações surgidas a partir da investigação da BBC é que o Talebã nunca se estabeleceu como uma organização de grandes pretensões materiais.

Sobrevivem com pouco: nunca tiveram um braço no Paquistão, mas estão a todo momento deslocando-se pelo país, operando sobretudo em escolas islâmicas e mesquitas.

"Uma filial da rede de Haqqani ─ que pertence à estrutura da organização – foi encontrada na remota região do Waziristão, no Paquistão, mas não se sabe se ela permanece ativa", explicou à BBC Haroon Rashid, editor do serviço urdu da BBC.

A maior parte do dinheiro com que o Talebã consegue financiar suas atividades provêm de recursos como extorsão contra estabelecimentos comerciais e proteção pela venda de drogas.

Mas o grupo extremista não vive apenas dessas atividades. Entre suas outras fontes de receita, estão o comércio de mel e do ópio ─ um dos principais produtos do Afeganistão ─ e o narcotráfico.

"Além de exigir impostos dos camponeses que cultivam papoulas dormideiras (planta usada para produzir ópio), também cobram pedágio em rodovias, roubam produtos e armamentos, e extorquem empresas privadas estrangeiras que preferem pagar ao grupo extremista do que ao Exército do país por sua proteção", afirmou Mozhda.

"Mas no último ano, o Talebã encontrou uma nova fonte de receita: a mineração, controlada pelo comitê financeiro, que é o segundo em importância na hierarquia do grupo, após o militar", acrescentou o especialista.

Como é feita a comunicação do grupo?

Seu hermetismo, mas sobretudo a capacidade de desenvolver redes internas de comunicações seguras, evidenciou como o grupo extremista conseguiu preservar a informação sobre a morte de seu líder, o mulá Omar.

Mas a morte de seu fundador reforçou a necessidade de proteger informações sensíveis da organização.

"A melhor opção para eles tem sido a comunicação ‘boca a boca’, evitando a tecnologia. Mas também possuem um sistema complexo de envio de cartas. Vi algumas que foram encontradas na cidade de Miranshah. Essa é a forma de comunicação entre membros do grupo", disse Rashid, do serviço urdu da BBC.

Rubin, do Centre on International Cooperation, ressalva, por outro lado, que o grupo não ficou "preso" ao passado.

"Eles possuem agora uma rede avançada de internet e mantêm atividade constante nas redes sociais", destacou.

Direito de imagem AP

Quem são os aliados do Talebã?

Frente ao crescimento do grupo autodenominado "Estado Islâmico", no Iraque e na Síria, e do Boko Haram, na Nigéria, antigas organizações insurgentes islâmicas ficaram em segundo plano, apesar do poderio que alguns, como a al-Qaeda e o Talebã, tinham no passado.

A al-Qaeda foi uma das principais aliadas do Talebã nos últimos anos, ajudando a arrecadar fundos para a organização.

No entanto, "o Talebã não recebe nenhum apoio militar da al-Qaeda que, por sua vez, não apoia nenhuma atividade jihadista a nível global", disse Rubin.

Em meio a tantas dúvidas, o único consenso é de que com a expansão do "EI" surgiu um novo inimigo que pretende ter uma autoridade "islâmica" sobre o território do Afeganistão.

"O líder do Talebã é somente o emir dos afegãos, mas eles não vão tolerar que outra figura queiram impor sua autoridade islâmica".

Leia também: Massacre em Peshawar: o aluno que morreu e o outro que escapou

Notícias relacionadas