Sucata se torna carro utilitário 'solar' no Sudão do Sul

Direito de imagem
Image caption Veículo criado por Low foi inspirado na filosofia local de reaproveitar materiais

No Sudão do Sul, o PIB per capita gira em torno de US$ 1 mil. Não há um serviço de correios, as estradas são precárias e um conflito armado ainda desestabiliza a segurança no país. Não parece o melhor lugar para alguém inventar um novo tipo de veículo.

Mas é exatamente isso o que Chris Low está fazendo. O americano visitou pela primeira vez o Sudão do Sul (antes parte do Sudão) em 2008, quando ajudou na construção de um orfanato na cidade de Yei. Desde então, ele passa boa parte do ano no país.

Logo ele notou uma enorme dificuldade com os veículos. "Passei um tempo enorme consertando os carros das diferentes organizações para quem eu trabalhava. E era uma enorme frustração porque é extremamente difícil encontrar partes e peças de reposição e há poucos mecânicos capacitados", lembra.

Entre os utilitários, o veículo que lhe serviu melhor foi um pequeno triciclo com motor de 150 cc e bagageiro, mas era difícil enfrentar as ruas esburacadas e a embreagem precisava ser remontada frequentemente.

Leia também: Conheça a roda robótica que pode ser alternativa aos drones

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook

Multiuso com sucata

Direito de imagem
Image caption Veículo reaproveita rodas de motocicleta e usa energia solar para os motores

Low, então, começou a repensar sua máquina. "Acredito piamente na ideia da simplicidade irredutível", conta. "Queria construir algo que tivesse o mínimo possível de peças, principalmente aquelas que não podem ser facilmente encontradas no país."

"Sempre adorei ver os metalúrgicos africanos trabalhando, aprendendo como eles conseguem montar qualquer coisa a partir de pedaços de aço e sucata", diz Low. Partindo dessa ideia, ele começou a construir um protótipo usando cantoneiras de ferro retiradas de uma cerca.

Low acreditava que se conseguisse encontrar um projeto básico que pudesse ser fabricado e mantido localmente, o veículo também poderia ser customizado para diversas aplicações, do trabalho na lavoura e na construção civil ao uso em hospitais.

Sua criação é um veículo de quatro rodas montado sobre um quadro articulado - uma ideia inspirada pelas máquinas off-road da PUG, lançadas nos anos 60.

Uma articulação no meio mantém todas as quatro rodas no chão para dar tração e estabilidade. E, em vez do motor à combustão dos PUGs e similares, o veículo de Low é totalmente elétrico, com um motor conduzindo cada roda e um conjunto de painéis solares suspensos.

O uso da eletricidade tem outras vantagens. Apesar de o Sudão do Sul ser rico em petróleo, o país não tem refinarias, e os estoques de gasolina são limitados. "Felizmente, o sol é bem mais confiável do que a rede de abastecimento de combustíveis sudanesa", diz Low, que tinha bastante experiência na instalação e na manutenção de painéis fotovoltaicos.

Essas baterias alimentam motores de 650W que foram encomendados da China, enviados para Uganda e levados a Low por uma pequena aeronave.

As rodas vêm de motocicletas chinesas ou indianas, algo fácil de encontrar no Sudão do Sul e que já vêm com rolamentos, freios e rodas dentadas embutidos.

Leia também: Franceses buscam investidores para primeira e-bike submarina

Controle de videogame

As manobras são obtidas ao se variar a velocidade das rodas, através de um sistema de controle do diferencial que ainda está em desenvolvimento. E, assim como nos mais sofisticados aviões a jato, o veículo de Low é 100% fly-by-wire (um sistema de controle por cabo elétrico), comandado por um antigo joystick Nunchuk feito para a Wii.

O primeiro protótipo usou um transmissor de seis canais normalmente usado para aviões de aeromodelismo controlados por rádio.

"Isso permite ter mais flexibilidade e é mais barato. Sem falar que o controle remoto é ideal para usar o veículo para agricultura em campos onde ainda há minas terrestres", explica Low.

O americano estima que o veículo tenha custado cerca de US$ 3,5 mil para ser construído, sendo as baterias e painéis solares responsáveis por US$ 2 mil desse total.

Quando o projeto for aprovado, ele planeja divulgar instruções para a construção, com a ideia de tornar o veículo acessível a quem não tenha experiência com mecânica.

Em 130 anos de inovações, os designers de carros conseguiram superar bancos de areia, rochedos, pântanos, neve, trincheiras, lama e até os terrenos desconhecidos de outros planetas. O único obstáculo que ninguém consegue superar é a pobreza.

Se Chris Low conseguir fazer isso com seu veículo, teremos o utilitário mais útil do mundo.

Leia também: Skate voador de 'De Volta para o Futuro' vira realidade

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Autos.