'EI' explode Arco de Palmira: Por que o grupo destrói sítios arqueológicos

Reuters
Image caption O Arco do Triunfo teria sido pulverizado, segundo ativistas

O grupo autodenominado "Estado Islâmico" (EI) destruiu no domingo outro monumento da cidade antiga de Palmira, na Síria.

O Arco do Triunfo de Palmira foi "pulverizado" por combatentes que controlam a região, segundo a declaração de um ativista morador de Palmira à agência de notícias AFP.

Acredita-se que a construção tivesse cerca de 2 mil anos de idade.

Os combatentes do 'EI' já tinham destruído dois templos na cidade antiga em agosto – descrita pela Unesco como um dos mais importantes polos culturais da Antiguidade.

O grupo radical islâmico também se engajou ativamente na destruição sistemática de acervos de museus iraquianos e bens de inestimável valor histórico e cultural.

No entanto, apesar de ser vista como "crime de guerra" pelo Ocidente, toda essa destruição parece fazer sentido para o grupo. No oitavo número de sua revista, a Dabiq, o 'EI' diz que vê a herança cultural antiga como um desafio para a lealdade do povo iraquiano ou sírio ao próprio grupo.

Portanto, destruir este patrimônio seria uma forma de rejeitar a "pauta nacionalista" que as estátuas, templos e até a cidades históricas representam.

Em um sentido mais amplo, eles se veem motivados a atacar o politeísmo onde quer que esteja e rejeitar a adoração de "ídolos" e dos locais erguidos para tal.

Leia também: Templo histórico em Palmira 'é destruído por Estado Islâmico'

Por isso, causa pouca surpresa o fato de o grupo destruir locais ligados à história ou cultura muçulmana xiitas e sufi – e até mesmo a sunitas como eles.

A ideologia do 'EI' despreza outras variantes do islamismo mais até do que o cristianismo ou judaísmo.

No entanto, o artigo na revista Dabiq não entra no aspecto mais político ou prático dessa destruição: ela dá dinheiro e enche os cofres do 'EI'.

Partes de estátuas se juntam às antiguidades pilhadas pelo grupo que são comercializadas no Ocidente. A ONU acredita que este tipo de comércio ocorre em escala industrial e gera milhões de dólares.

E há também o apelo direto da provocação. Vídeos e notícias de destruição de patrimônios históricos chocam e causam revolta em vários lugares do mundo.

Leia também: Arqueólogo 'guardião' de Palmira teria sido morto pelo 'EI'Movimente o cursor para os lados para comparar imagens de Palmira antes e depois da destruição

9/2015

8/2015

European Space Imaging, Digital Globe

O 'EI' parece tirar proveito da lógica do ex-líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, de querer instigar o ódio e atrair os Estados Unidos e o Ocidente para uma sangrenta guerra "contra o Islã".

Neste sentido, declarações como a da diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, dizendo que a destruição em Palmira é um "crime de guerra" e pedindo que a comunidade internacional se una contra os esforços do 'EI' de "despojar o povo sírio de seu conhecimento, identidade e história", acabam sendo uma faca de dois gumes.

Apelos internacionais e a divulgação maciça da destruição deixada pelo 'EI' correram as redes sociais - o que é exatamente o que o 'EI' quer. Mas a internet não pode ser "desinventada", não há como impedir que essas notícias cheguem ao conhecimento das pessoas.

Portanto, o que resta é expor, com raciocínio claro e objetivo, as hipocrisias, práticas e banalidades das políticas do 'EI' como uma organização política.

Leia também: Avanço do Estado Islâmico ameaça ave rara sob risco de extinçãoDavid Roberts é um palestrante em do Departamento de Estudos de Defesa do King's College, em Londres.