A semente que se disfarça de fezes para garantir sobrevivência da espécie

(Foto: Thinkstock) Direito de imagem Thinkstock
Image caption Os escaravelhos 'rola-bosta' acabam enterrando sementes involuntariamente

Para Ceratocaryum argenteum, a reprodução não é uma tarefa fácil: essa planta africana precisa enterrar suas sementes para poder germinar.

E, segundo descobriu recentemente uma equipe de pesquisadores sul-africanos, ela faz isso utilizando um mecanismo único e curioso: a planta produz algumas sementes que são muito parecidas com os excrementos de antílopes.

Ao confundi-las por causa de seu aspecto, mas sobretudo por seu odor (o excremento e as sementes têm uma série de substâncias químicas em comum), escaravelhos de uma espécie conhecida como "rola-bosta", que se alimentam de fezes, as enterram no solo para depois comê-las e depositar ali seus ovos.

Quando se dão conta do engano, eles deixam as sementes enterradas e continuam com sua rotina.

"Esse engano é muito pouco comum (na natureza)", afirmou à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, Jeremy Midgley, pesquisador da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, e principal autor do estudo.

"O que geralmente ocorre (com as demais plantas) é que uma ave, por exemplo, come uma fruta e, ao defecar, espalha suas sementes. Neste caso, no entanto, o escaravelho não obtém benefício algum", acrescenta.

Leia também: Nasa encontra água congelada e céu azul em Plutão

Armadilha malcheirosa

O odor de excremento presente na semente é tão forte, segundo Migley, que, depois de quase nove meses, as amostras que tem em seu laboratório continuam fedendo.

"Isso é muito estranho, porque sementes em geral não têm cheiro. Se tivessem odor, seria mais fácil para os mamíferos encontrá-las", ou seja, comê-las ou destruí-las, explica o pesquisador.

Outras estratégias mais conhecidas de dispersão de sementes empregadas pelas plantas envolvem o aproveitamento do vento, da água ou o traslado facilitado por animais.

Porém, esse método que utiliza a "decepção" é algo que os cientistas sul-africanos observaram pela primeira vez.

Se não fosse pela ajuda do escaravelho, a reprodução da Ceratocaryum argenteum seria seriamente afetada. Como germinam em terrenos que passaram por incêndios, as sementes ficariam expostas aos efeitos danosos do sol e do ambiente, entre outros fatores, até que isso ocorresse.

Direito de imagem Joseph White
Image caption Espécie de escaravelho analisada por cientistas sul-africanos é vítima de "pegadinha" de planta

Leia também: Por que o Nobel da Paz premiou o 'caso de sucesso' da Primavera Árabe

Trabalho extra

Depois de se equivocar algumas vezes, os escaravelhos não deveriam ter evoluído para perceber as diferenças e não cair na armadilha?

Segundo Midgley, o fato é que essa tarefa não recompensada não custa muito ao inseto.

"A planta só libera as sementes por algumas semanas no ano. Como os escaravelhos não têm que lidar com elas todo o tempo, isso não chega a ter uma influência negativa sobre eles."

Embora seus hábitos alimentares nos pareçam um tanto repugnantes, essa espécie de generosidade (mesmo que involuntária) desses insetos é algo que não pode ser negado.