Conventos e monastérios que viraram hotéis sonegam impostos e preocupam papa

Direito de imagem da Casa di Santa Francesca Romana
Image caption A Casa di Santa Francesca Romana é uma organização católica que oferece quartos de hospedagem por 90 euros

Conventos e monastérios pertencentes à igreja católica que funcionam como hotéis estão entre os maiores sonegadores de impostos imobiliários da Itália, o que está causando uma grande polêmica no país. Até o papa já se pronunciou sobre o assunto.

Na Itália, imóveis pertencentes a entidades ligadas à religiões são isentos de impostos quando ali são exercidas funções religiosas ou caritativas. Essa regra se estende às centenas de conventos e monastérios espalhados pelo país. No entanto, muitos deles se tornaram verdadeiras empresas de turismo, competindo com a hotelaria geral.

Apesar disso, segundo o ministério das finanças italiano, grande parte dos estabelecimentos continua não pagando impostos. Entre os albergues acusados de sonegação estão até hotéis de luxo que pertencem a instituições religiosas ligadas à igreja católica.

Leia mais: Vaticano nega boatos sobre tumor no cérebro do papa

Segundo a Associazione Nazionale dei Comuni Italiani (ANCI) - órgão que representa os interesses dos municípios italianos - o rombo causado por esse tipo de sonegação chega a cerca de 800 milhões de euros ao ano, o que equivale a cerca de R$ 3,5 bilhões.

Muitas das empresas nunca pagaram impostos, diz a ANCI. Por isso, segundo a associação, a dívida total chegaria a vários bilhões de euros.

Rombo em Roma

Só na capital italiana, Roma, estatísticas da prefeitura mostram que cerca de 60% dos hotéis mantidos por instituições religiosas não pagam a taxa IMU, o imposto municipal único sobre imóveis.

Com base nos dados da prefeitura, o jornal Il Tempo publicou uma lista com dezenas de congregações e ordens religiosas com impostos atrasados. Nela constam nomes como o da "Congregação das Freiras do Espírito Santo" ou da "Associação de Voluntários do Serviço Social Cristão", reconhecidas como entes de caridade.

Os jornais La Stampa e Fatto Quotidiano citam como exemplo de hotel abusivo o Domus Sessoriana, no centro de Roma, um ex-convento cujo imóvel pertence a um instituto de ensino católico. Ali, os quartos chegam a custar 140 euros por noite, o equivalente a R$ 615. Na internet o hotel faz propaganda com sua "tradição de hospitalidade de 2000 anos".

Direito de imagem Domus Sessoriana
Image caption Domus Sessoriana é ex-convento que pertence à instituição de ensino católica; quartos podem custar 140 euros lá

Papa adverte

O problema aflige até o papa Francisco. Em uma entrevista de rádio, o pontífice disse claramente que conventos e monastérios que se tornaram hotéis devem pagar impostos como qualquer outra empresa.

"Algumas congregações dizem: o nosso convento está vazio, vamos fazer um hotel, um albergue, assim podemos mantê-lo e ganhar dinheiro. Muito bem, mas então devem pagar impostos, senão não será um negócio às limpas", advertiu o papa.

Leia mais: Como o Facebook sabe sobre seus encontros no Tinder

Exceções à regra

Em julho deste ano um tribunal italiano já havia deixado claro que escolas mantidas por instituições católicas também devem pagar impostos imobiliários.

Segundo a lei, que foi modificada em 2014, só não pagam impostos entidades religiosas com atividades claramente não-comerciais.

Isso incluiria, por exemplo, albergues para peregrinos a baixo preço e também estabelecimentos "caracterizados pela presença de lugares para a prática do retiro e da meditação espiritual".

Direito de imagem Reproducao
Image caption Site da instituição oferece hospedagem

"Essa cláusula é usada como subterfúgio para a evasão sistemática de impostos", diz Roberto Magi, presidente do Partido Radical Italiano e um dos políticos que exigiu a lista dos sonegadores fiscais em Roma.

Magi lembra que o "Jubileu Extraordinário da Misericórdia" convocado pelo Papa deverá levar a partir de dezembro deste ano uma quantidade enorme de peregrinos a Roma. O jubileu é um ano festivo em que os católicos são chamados à peregrinação.

"A cidade vai arcar com a maior parte dos custos de infraestrutura do jubileu, e o setor hoteleiro vai lucrar com isso", diz o político. "Mais uma razão para esses estabelecimentos contribuírem para o erário como todos os outros."

Leia mais: Como piada de bar entre amigos se tornou negócio milionário