Partido governista da Turquia vence eleições parlamentares

Foto: Getty Direito de imagem Getty
Image caption Partido AKP, do governo, terá assentos suficientes para formar governo próprio, sem precisar de coalizão

O partido governista AKP (Partido da Justiça e Desenvolvimento) venceu a eleição parlamentar na Turquia – retomando a maioria no Parlamento, que havia sido perdida em junho.

Com praticamente todos os votos apurados, a agência de notícias estatal Anadolu afirmou que o AKP teve 49,4% dos votos e o partido opositor CHP teve 25,5%.

O premiê Ahmet Davutoglu classificou o resultado como "uma vitória para a nossa democracia e nosso povo".

Leia também: O padre católico que escapou do 'Estado Islâmico'

O partido pró-curdo conseguiu superar a marca dos 10% dos votos – o mínimo necessário para reclamar cadeiras no Parlamento.

O partido nacionalista MHP também terá direito a assentos.

As pesquisas indicavam que o AKP receberia apenas entre 40% e 43% dos votos – previsão que estava de acordo com o pleito de junho, quando o partido perdeu a maioria pela primeira vez em 13 anos.

Tentativas de formar um governo de coalizão após a eleição de junho não tiveram sucesso.

O AKP deve ganhar muito mais que os 276 assentos, o mínimo necessário para se obter a maioria. Por causa disso deve ser capaz de formar um governo próprio, sem precisar formar coalizão.

Porém o partido não deve atingir o número de representantes necessários para convocar um referendo para mudar a constituição e aumentar os poderes do presidente – que também é o fundador do AKP e ex-premiê Recep Tayyip Erdogan.

Leia também: Mulher de líder opositor da Venezuela pede a Dilma que não seja 'cúmplice de Maduro'

Onda de violência

Direito de imagem Reuters
Image caption Partido governista baseou sua campanha em promessas de acabar com onda de violência na Turquia

Após as eleições de junho foi suspenso um cessar-fogo entre o exército turco e militantes do PKK, (o Partido dos Trabalhadores do Curdistão). O fim da trégua está relacionado a um atentado suicida em julho, que teria sido realizado por militantes do autoproclamado "Estado Islâmico".

O ataque matou ao menos 30 curdos na fronteira com a Síria.

Depois disso a Turquia sofreu o pior atentado de sua história, quando dois homens-bomba atacaram uma manifestação de esquerda pela paz e mataram mais de 100 pessoas. O governo disse que eles estariam ligados ao autoproclamado "Estado Islâmico".

Segundo o correspondente da BBC em Ancara, Mark Lowen, o AKP venceu o pleito com um discurso de que apenas o partido seria capaz de acabar com a onda de violência e levar o país para águas mais calmas.

Críticos dos governistas afirmaram que a violência teria sido orquestrada pelo próprio AKP para vencer as eleições – o que o partido nega.

Choques entre manifestantes e policiais ocorreram na principal cidade curda de Diyarbakir durante a apuração dos votos. Os manifestantes atiraram pedras e os policiais bombas de gás lacrimogênio.

Leia também: Funcionário que 'antecipou' queda do Muro de Berlim morre aos 86