Fotógrafa registra todos os objetos tocados ao longo de um dia por 62 pessoas

Paula Zuccotti Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption Entre os participantes do projeto, está Katsumi, dançarino japonês que vive em Londres e estrela um show de artes marciais

Imagine manter um registro de todos os objetos que você toca num período de 24 horas, do momento em que acorda até quando dorme, e depois reunir tudo isso em uma única foto que sirva de diário do dia que você viveu.

Essa foi a ideia da designer argentina Paula Zuccotti: ela estava curiosa para saber em que medida os objetos que possui poderiam contar a história de quem ela é.

Zuccotti pediu que 62 pessoas ao redor do mundo reunissem os objetos que tocavam ao longo de um dia para produzir uma "cápsula do tempo" do mundo em 2015.

"Nossa interação atual com objetos é algo que sentia necessidade de documentar. Muito do que sabemos sobre civilizações passadas vem de descobertas feitas a partir dos objetos que usavam", diz a designer à BBC.

"Ferramentas, utensílios, roupas, manuscritos e arte nos ensinaram sobre o trabalho que realizavam, o que caçavam, cultivavam e comiam e como se expressavam. Nossos objetos podem fazer o mesmo?"

Leia também: Campanha brasileira inspira hashtag em inglês sobre primeiro assédio sexual

Estilos de vida

Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption O mundo de Anna Haneda, de 2 anos, é basicamente cor de rosa e composto por objetos tocados aleatoriamente, como é de costume enter crianças de sua idade

Acima de tudo, o projeto "Ever Thing We Touch" (tudo que tocamos, em inglês) é sobre histórias individuais: cada foto é um retrato da pessoa por trás da coleção de objetos nela retratada.

"Busquei estilos de vida que me intrigavam, alguns dos quais estão desaparecendo. Fui para o Estado do Arizona, nos Estados Unidos, atrás de um caubói e a Tóquio, no Japão, para documentar a vida de uma gueixa", afirma Zuccotti.

Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption Um dia na vida de David True, um caubói que trabalha em um rancho em Tucson, no Estado do Arizona (EUA)
Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption Dentre os objetos do gueixa Eitaro, um dos mais valiosos para ele é a peruca que pertencia a sua mãe

Foi assim que foram feitas as fotos do caubói americano David, de 23 anos, e de Eitaro, um japonês de 32 anos que aprendeu a arte de ser uma gueixa com sua mãe.

O projeto revelou que, em média, uma pessoa toca 140 objetos por dia. Para serem fotografados, eles foram dispostos em ordem cronológica. E elementos estruturais como torneiras, maçanetas e interruptores foram excluídos.

Leia também: Por que os copos de Natal do Starbucks estão sendo chamados de anticristãos nos EUA

'Mapas de identidade'

Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption Gemma é uma cozinheira em Marrakech e mãe de um menino - por isso há um patinete entre seus objetos

Alguns destes "mapas de identidade" que resultaram das sessões fotográficas são mais fáceis de serem interpretados, diz a designer, como os de uma cozinheira, um bebê ou um açougueiro, que se tornam "visíveis" por meio de suas posses.

Nem todos estão completos. É o caso de Piedad, uma freira de 44 anos que vive enclausurada de Madri, na Espanha, que compartilhou com Zuccotti apenas uma touca, um véu negro, um hábito, um escapulário, uma Bíblia e um rosário. Originalmente do Equador, a freira não sai de seu convento há 28 anos.

Leia também: As diferenças culturais na visão de um refugiado sírio no Brasil

Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption O mundo de Arlo Butler, de 1 mês de idade; sua mãe Tess registrou tudo que ele tocou em sua casa em Londres, inclusive um sutiã usado por ela enquanto amamentava
Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption Isaías Rimer é açougueiro em Buenos Aires, na Argentina, um país com um dos mais altos índices de consumo de carne vermelha no mundo
Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption A freira Piedad, de 44 anos, vive enclausurada em Madri, na Espanha; seu dia se divide entre atividades individuais e comunitárias, com reza, cantos e treinamentos

"Então, fui visitá-la. Enquanto conversávamos através de barras, uma bolsa com os pertences que Piedad queria me entregar apareceram em uma janela. Quando questionei onde estavam os outros objetos que ela teria tocado, como sua escova de dentes, caneca e pente, ela me olhou e disse 'não posso'", diz a designer.

"Acho que este projeto não tem um fim", diz Zuccotti, que gostaria agora de fotografar "novos lugares, novos tópicos, pessoas específicas", incluindo o mundo dos ricos e famosos e de quem vive sob o olhar do público.

Zuccotti se questiona como seria refazer o mesmo projeto daqui a dez anos e lança um desafio: quais objetos estarão extintos e quais novos objetos ela descobrirá?

Leia também: Pesquisador brasileiro 'desvenda' história em músicas do Iron Maiden

Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption As posses de Liu, de 72 anos, que fabrica manualmente bonecos para shows de sombras em Shanghai, na China; 'Quero que o mundo entenda a China melhor, e arte popular tradicional faz parte de nossas raízes', diz ele
Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption ChaCha Yehaiyahan é uma jovem musicista de Ghizhou, na China; ela é compositora, DJ e cantora, além de gostar de 'viajar com poucas coisas'
Direito de imagem PAULA ZUCCOTTI
Image caption Zuccotti durante uma sessão fotográfica, organizando os objetos de Kitty, uma tatuadora de Melbourne, na Austrália, sobre o fundo branco usado em todas as fotos