Britânica que fingiu ser homem em sexo com mulher vendada é condenada a 8 anos de prisão

PA Direito de imagem PA
Image caption Gayle disse que ela e vítima participavam de uma 'fantasia'

Uma mulher que se passou por homem no Facebook para manter relações sexuais com outra mulher foi condenada a oito anos de prisão na Grã-Bretanha.

A diretora de marketing Gayle Newland, de 25 anos, teria exigido que a outra mulher se vendasse durante os encontros sexuais e usado um pênis prostético nas cerca de dez relações que tiveram, segundo o julgamento.

A vítima disse que só descobriu a farsa ao ficar desconfiada e tirar sua venda durante o último encontro.

A acusada, da cidade britânica de Willaston, criou um perfil falso no Facebook sob o nome de Kye Fortune e passou a trocar mensagens com a nova amiga - que não foi identificada, mas alguns jornais britânicos disseram que esta também teria 25 anos.

Ambas teriam começado a conversar por telefone - com Gayla fazendo "voz grossa" - em 2011, mas só se encontraram em fevereiro de 2013.

Leia também: Como descobrir o que o Facebook sabe sobre você

A vítima disse ter sido forçada a usar uma venda nos encontros porque "Kye" teria insegurança quanto a sua aparência, alegando ter cicatrizes. As duas passaram mais de 100 horas juntas em hotéis e no apartamento da vítima.

Gayle disse que ambas participaram de uma "fantasia" e que a vítima sempre soube que ela se passava por homem, já que ambas teriam tido dúvidas em relação à sexualidade.

Ela negou ter forçado a parceira a permanecer vendada ou que tenha usado um disfarce para esconder os peitos ou roupas de nado, como foi alegado.

'Caso diferente'

A acusação disse que este era um "caso diferente" no qual Gayle atingiu a vítima "inocente e vulnerável", que disse não ser gay, em uma farsa elaborada.

O juiz Roger Dutton, responsável pelo caso, descreveu a acusada como "inteligente, obsessiva, manipuladora e determinada".

Leia também: Proposta para regularizar recursos no exterior pode favorecer corruptos no Brasil?

Direito de imagem Getty
Image caption Acusada criou perfil falso no Facebook para farsa

"Você teve essa conduta por um longo período no qual você brincou com os sentimentos dela, agindo para sua satisfação sexual e escolheu ignorar o impacto devastador de que uma eventual descoberta da verdade poderia ter nela".

Ele disse que o impacto psicológico na vítima seria "profundo" e "de longa duração".

O juiz aceitou o argumento da defesa de que Gayle tinha vários distúrbios identificados em um relatório psiquiátrico, incluindo depressão e transtornos obsessivo-compulsivo e de personalidade.

Mas disse que não poderia aplicar uma pena branda, já que os crimes eram "sérios".

Gayle ficou agitada ao ouvir a sentença e teve que ser contida fisicamente. Ela foi retirada aos gritos do tribunal.

Notícias relacionadas