Como bebê que sobreviveu a ataque químico reencontrou família 27 anos depois, na TV

BBC
Image caption Maryam Barootchian é foi um dos bebês que se perderam de sua família durante ataque químico realizado por Saddam

Em 1988, o então líder iraquiano Saddam Hussein lançou um ataque químico contra o próprio país na cidade curda de Halabja, onde aviões despejaram uma mistura de gás mostarda e gás sarin (que afeta o sistema nervoso) contra uma comunidade curda rebelde.

Milhares de pessoas morreram e, no caos que instalou após o ataque, muitas famílias se separaram.

Maryam Barootchian era um bebê na época. Acabou sendo criada no vizinho Irã, mas voltou recentemente ao Iraque para tentar reencontrar familiares sobreviventes.

E conseguiu encontrar seus parentes em um programa de televisão, diante de uma audiência de milhões de pessoas.

Barootchian havia sido retirada da cidade por soldados iranianos e levada até Teerã de helicóptero. A bebê acabou sendo separada da mãe, que teve problemas de visão devido ao ataque químico. Mas ela só descobriu tudo isso muitos anos depois.

Leia também: Conheça as principais mudanças da população brasileira reveladas pelo IBGE

No Irã, Barootchian foi adotada por uma família que havia perdido a filha de 14 anos para a leucemia e criada na cidade de Sari, perto do Mar Cáspio.

"Um dia ligaram do (Departamento de) Bem-Estar Social e disseram que crianças estavam chegando da zona de guerra. 'Venha pegar uma'", contou Fatemeh, a mãe adotiva de Barootchian.

Image caption A mãe adotiva (dir.) deu o nome da filha que morreu de leucemia (Foto: BBC)

Foi ela quem escolheu o nome Maryam, o mesmo da filha que havia morrido.

"Eu precisava deste nome, queria trazer a memória dela de volta", disse Fatemeh. Ela conta que a primeira noite em que a bebê dormiu em seus braços foi como se "Maryam estivesse de volta, viva de novo".

Preconceito

Image caption Maryam foi criada em uma cidade perto do Mar Cáspio

À medida que crescia, Barootchian começou a sentir o preconceito de outras crianças.

"Um dia eu estava brincando com outras crianças no jardim de casa. Até que elas me disseram que eu não podia mais brincar. Perguntei por que e elas responderam: 'porque você é adotada'. Não entendi o que 'ser adotada' significava."

"Eles disseram 'significa que você não é filha dos seus pais. Se você olhar para o seu álbum de família, vai ver que eles não se parecem com você'. Fui para casa e olhei minhas fotos. Eles estavam certos", disse.

Apesar do relacionamento nem sempre ter sido fácil com a mãe adotiva, Barootchian era muito próxima de seu pai, Hushang.

Depois que ela completou 18 anos, Hushang confirmou que ela tinha sido adotada e explicou que Barootchian era curda, acrescentando que não sabia com certeza onde ela havia nascido.

Hushang morreu pouco tempo depois.

Leia também: Contra sedentarismo, alunos passam o dia estudando em pé em escola na Califórnia

"Ninguém me consolou. Eu chorava no túmulo de meu pai e (as pessoas) falavam, 'por que você está chorando? você não é filha dele'", contou.

"Então entendi que meus problemas só estavam começando. Que minha tristeza só estava começando. Me senti tão sozinha que, depois de dois anos, pedi ajuda de minha mãe para encontrar minha família."

Viagem

Direito de imagem Getty
Image caption Ataque químico contra Halabja matou milhares de pessoas

Barootchian viajou para cidades e vilarejos iranianos de maioria curda, procurando por pistas. Por sorte encontrou dois assistentes sociais curdos no aeroporto de Teerã e eles conheciam pessoas na Sociedade de Vítimas do Ataque Químico de Halabja, que ajudava a reunir as crianças perdidas com suas famílias por meio de exames de DNA.

"Eu sabia que tinha nascido mais ou menos na mesma época do ataque químico contra Halabja. E pensei que poderia ser uma das crianças de Halabja cuja família foi morta ou teve que deixar o lugar", disse.

Luqman Qadir, líder da Sociedade, se encarregou do caso de Barootchian.

"Quando essa catástrofe aconteceu em Halabja, nós estávamos lá, vimos o que aconteceu, então entender a história de Maryam é fácil para nós. Vimos dezenas, até centenas de crianças que perderam os pais e estavam espalhadas pelo Irã", disse.

Ninguém sabe exatamente o número de crianças que ainda estão desaparecidas, e Barootchian é uma das poucas "crianças perdidas" que estão voltando para Halabja em busca de seu passado.

"Perder os pais é um desastre para qualquer um, mas é particularmente difícil para mulheres, pois quando elas querem se casar escutam perguntas sobre o passado delas", afirmou Qadir.

E Barootchian confirma que havia uma possibilidade de casamento, mas a família do noivo desistiu ao saber que ela era adotada.

Leia também: Pescadores convocam 'Arca de Noé' por WhatsApp para salvar peixes de dilúvio de lama

Image caption Maryam sofreu com o preconceito por ser adotada (BBC)

"Várias vezes, quando era criança, me disseram: 'ninguém sabe quem são seus pais, você pode ser ilegítima ou resultado de um casamento temporário, ou você pode ter sido encontrada em uma lata de lixo ou em um banheiro'. Mas agora sei que sou daqui e posso andar de cabeça erguida", disse ela.

Famílias desesperadas

Quando Maryam Barootchian chegou a Halabja em maio para começar os exames de DNA encontrou famílias desesperadas que ansiavam para que ela fosse sua filha perdida.

Farhard Bazarnji, especialista em doenças genéticas na cidade iraquiana de Sulaymaniyah, perto de Halabja, se ofereceu para ajudar Barootchian. Ela foi à TV pedir para as pessoas fizessem testes de DNA. Bazarnji examinou 58 famílias e selecionou um grupo menor.

Direito de imagem
Image caption Mulheres que poderiam ser irmãs se reuniram com Maryam (Foto: BBC)

Barootchian se encontrou com as pessoas cujos DNAs era mais próximos do seu. Até que, em agosto, todos se reuniram no monumento pela paz em Halabja para o anúncio da especialista Farhar Bazarnji, que foi transmitido pela TV.

Image caption O encontro entre mãe biológica e filha sobrevivente foi transmitido pela TV Curda

"Maryam, infelizmente seu pai esta morto, ele foi uma das vítimas do ataque em Halabja", disse Bazarnji na transmissão. "Mas, felizmente, posso falar esta noite: Maryam, você tem um irmão. Maryam, você tem uma mãe e esta noite você ficará feliz pois vai encontrá-los. Até hoje você era conhecida como Maryam, mas hoje posso te dizer que seu nome é Hawnaz e você é filha da senhora Gilas Eskander."

A multidão presente gritou e aplaudiu. Uma mulher idosa usando óculos escuros se levantou e foi levada até Barootchian, repetindo o nome da filha, "Hawnaz", abrançando-a e chorando muito.

Direito de imagem
Image caption Além da audiência de telespectadores, havia também um auditório lotado durante o anúncio (Foto: TV Curda)
Direito de imagem
Image caption Gilas Eskander (de óculos escuros) é a mãe biológica de Maryam (centro) e se reuniu também com a mãe adotiva, Fatemeh (Foto: Facebook de Maryam Barootchian)

Gilas Eskander foi a última pessoa a se apresentar para o exame de DNA em julho, e descobriu-se que ela é a verdadeira mãe.

"Estou tão feliz. Sinto como se tivesse renascido, como se estivesse vendo mundo com novos olhos", disse Eskander.

As outras famílias ficaram decepcionadas.

"Depois de três meses de turbilhão psicológico, estou arrasada. Pensei que minha irmã tivesse voltado à vida, mas esta noite eles a mataram", disse uma delas.

Eskander, por sua vez, pensou que a filha tinha morrido no ataque químico. Ela se casou novamente e vive entre Halabja e a cidade iraniana de Paveh, onde ainda recebe tratamento para os problemas de visão.

Leia também: Bilionário condenado por corrupção arremata diamante por R$ 182 mi para filha de 7 anos

Agora, Barootchian está conhecendo o irmão mais velho, que veio da Holanda para se encontrar com ela, um meio-irmão e uma meia-irmã. O irmão mais novo está desaparecido desde o ataque de 1988.

Desde a revelação no programa de TV, ela passou meses conhecendo a família em Sulaymaniyah e Irbil. Ela, que cresceu falando persa (língua oficial do Irã), está aprendendo a falar curdo.

E o governo regional curdo prometeu ajuda financeira a todas as crianças perdidas do ataque contra Halabja e para encontrarem suas famílias.

Direito de imagem
Image caption Maryam Barootchian já conheceu o irmão (Foto: Facebook de Maryam Barootchian)