Após ataques de Paris, França bombardeia 'Estado Islâmico'

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Aeronaves francesas atacaram neste domingo Raqqa, cidade no norte da Síria que é uma das bases do grupo extremista autodenominado "Estado Islâmico" (EI).

Em comunicado emitido pelo Ministério de Defesa francês, o governo disse que um posto de comando e um campo de treinamento foram destruídos.

Os ataques ocorreram dois dias após os ataques que mataram 129 pessoas na capital francesa, Paris, e deixaram centenas de feridos na última sexta-feira.

Direito de imagem AFP
Image caption França vem atacando o 'Estado Islâmico' na Síria e no Iraque

O "EI" assumiu a autoria dos atentados e afirmou se tratar de uma retaliação pelo envolvimento da França nos ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos a militantes do grupo na Síria e no Iraque.

Leia também: Polícia francesa diz que suspeito está foragido; o que se sabe sobre os autores dos ataques a Paris

'Ato de guerra'

O presidente francês, François Hollande, disse que os atentados são um "ato de guerra" e que seu país intensificará os ataques ao "EI".

Hollande afirmou também que a França não terá "misericórdia" em sua resposta ao grupo, prometendo "usar todos os recursos possíveis dentro da lei".

Neste domingo, uma multidão se reuniu na catedral de Notredame, em Paris, para uma missa em homenagem às vítimas.

A cidade vive um clima de tristeza, perplexidade e tensão, com o registro de cenas de pânico em diversos locais por suspeitas de novas ameaças.

Direito de imagem AFP
Image caption Missa na catedral de Notredame homenageou vítimas

O país está oficialmente em estado de emergência desde sexta-feira. A princípio, terá uma duração de 12 dias.

Mas, de acordo com fontes ouvidas pela agência de notícias AFP, Hollande quer estendê-lo por três meses. Para isso, será preciso obter aprovação do Parlamento.

Leia também: Índios fecham ferrovia da Vale em MG em protesto contra 'morte de rio sagrado'