'Terrorismo não tem religião': nas redes sociais, muçulmanos condenam ataques em Paris

(Foto: Getty) Direito de imagem Getty
Image caption Jovens muçulmanas de Turim, na Itália, protestaram contra ataques em Paris

Muçulmanos de diversas partes do mundo usaram as redes sociais para condenar os ataques ocorridos em Paris na última sexta, responsáveis pela morte de mais de 130 pessoas.

Em Turim, na Itália, jovens muçulmanas seguraram em protesto cartazes onde se lia a hashtag #NotInMyName (“Não em meu nome”).

Manifestações como essa ocorreram em vários outros países. Muçulmanos também estão usando hashtags como #TerrorismHasNoReligion ("Terrorismo não tem religião") e #MuslimsAren'tTerrorists ("Muçulmanos não são terroristas").

Leia também: Quem são as vítimas dos ataques em Paris?

Leia também: Ataques em Paris: 'Estado Islâmico' muda de tática

A comunidade muçulmana internacional também lançou mão da hashtag #ISISisnotIslam (“Estado Islâmico não é o Islã"), em referência ao grupo autoproclamado "Estado Islâmico", que assumiu os atentados.

“O profeta Maomé nos ordenou a não fazer mal a ninguém e disse que quem fizer o contrário não é muçulmano”, escreveu um internauta do Egito no Twitter.

Muitos também citaram trechos do Alcorão para condenar o atentado: “Quem mata um inocente é como se matasse toda a humanidade”, tuitou um outro usuário.

'Não em meu nome'

Após os ataques de Paris, foi retomado o uso da hashtag #NotInMyName, movimento que começou no Reino Unido em 2014 após decapitações de estrangeiros pelo “EI”.

O marroquino Wafi Abdouss, que tem um canal no YouTube, publicou um vídeo que já foi visto mais de 100 mil vezes. Nele, diz: “O que ocorreu em Paris foram ações cometidas por criminosos, que não representam nem os muçulmanos nem os árabes. Os jihadistas e os fundamentalistas só representam eles mesmos”.

Direito de imagem Wafi Abdouss
Image caption Vídeo do muçulmano Wafi Abdouss na internet já foi visto mais de 100 mil vezes

Muçulmanos na Espanha também condenaram de maneira dura os ataques.

Sami El Mushtawi, diretor do departamento de Cultura do Centro Islâmico de Madri, publicou um comunicado deixando claro seu “rechaço total a toda forma de terrorismo”.

“Esse tipo de ação não tem justificativa nenhuma”, afirmou.

Direito de imagem Twitter
Image caption "Terroristas aterrorizam as pessoas. Isso é o que eles fazem. O que nós fazemos? Respeitamos as pessoas. Confortamos as pessoas. Protegemos todas as pessoas. #Paris"
Direito de imagem Twitter
Image caption "Esse é o Islã da maioria. A palavra de Deus: 'Quem mata uma pessoa inocente é como se tivesse matado toda a humanidade'."
Direito de imagem Twitter
Image caption "Os ataques a Paris não são em meu nome", disse internauta que compartilhou trecho do Alcorão
Direito de imagem Twitter
Image caption "Estado Islâmico matou 200 mil muçulmanos, e seus assassinatos chegaram agora à Europa. É uma ameaça para todos e devemos nos unir", tuitou outro

‘Um crime contra a humanidade’

Líderes religiosos muçulmanos de diversas partes do mundo também condenaram o atentado da sexta.

O secretário-geral do Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha (uma associação que representa mais de 500 organizações muçulmanas), Shuja Shafi, descreveu os ataques como “horríveis”.

“O grupo que se denomina Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques. Não há nada de islâmico nessas pessoas – e suas ações são demoníacas, fora das fronteiras da nossa fé.”

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, descreveu o atentado como “um crime contra a humanidade”, e o ministro do exterior do Catar, Khaled al-Attiyah, chamou o ato de “atroz”.

Siga a BBC Brasil no Twitter e no Facebook