Tâmisa: como o mais icônico rio britânico 'ressuscitou' após ter 'morte declarada'

Thinkstock Direito de imagem Thinstock
Image caption Tamisa fora declarado "morto" por especialistas em 1957

Em uma manhã de sol de outono no centro financeiro de Londres, Rod Guzman está procurando por sua foca favorita. Em meio à concentração de arranha-céus do bairro de Canary Wharf e ao que sobra das docas que um dia formaram um porto global está um ponto secreto para uma série de animais. O que inclui os mamíferos aquáticos bigodudos.

Guzman, que trabalha no mercado de peixe de Billingsgate, logo ao lado, dá um chute numa placa de metal, produzindo um barulhão. “Normalmente, ela vem quando faço isso”, explica. “Acho que ela sente as vibrações na água. É enorme, Alguns colegas já a batizaram de Alfred. Eu a chamo de foca.”

Mais de 2 mil animais foram vistos no rio Tâmisa na última década, segundo um censo da Zoological Society of London. Foram acompanhadas de centenas de golfinhos e até algumas baleias.

'Falecimento'

O Tâmisa, embora enfrente problemas como a poluição por plástico, hoje é um rio completamente diferente do ambiente poluído de outrora, quando nem mesmo peixes mais resistentes conseguiam sobreviver.

Em 1957, o Museu de História Natural de Londres declarou que o rio estava biologicamente morto. Os jornais diziam que nada mais era que uma vasta e mal-cheirosa sarjeta.

“Trata-se de um esgoto a céu aberto”, definiu o jornal Manchester Guardian, em 1959. “Não se encontra oxigênio mais em suas águas por diversas milhas”.

Leia também: A plantação de algodão que fez Mar de Aral virar deserto

O bombardeio da aviação alemã na Segunda Guerra Mundial destruiu parte do sistema de esgotos do século 19 que anteriormente prevenira que o Tâmisa ficasse muito poluído. E durante alguns anos após o fim do conflito faltavam recursos e até um pouco de vontade para reconstruir.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Mamíferos aquáticos como este leão-marinho têm sido avistados com frequência no rio

Foi apenas a partir da segunda metade da década de 60, com a melhora do saneamento básico na capital, que o rio voltou a respirar. Mas outros fatores também contribuíram. Nos anos 70 e 80, como parte de uma maior conscientização ambiental, uma legislação bem mais rigorosa controlou o uso de pesticidas e fertilizantes na agricultura – substâncias poluentes que a água das chuvas levava até o Tâmisa.

A poluição por metais pesados também se reduziu, segundo David Morrit, especialista em ecologia aquática da Universidade de Londres. Algo explicado não somente por regulação mais estrita, mas também por hábitos de consumo. A prata, por exemplo, um poluente comum resultante dos processos de revelação de fotografia, sumiu por conta da adoção maciça da fotografia digital.

Os resultados são claros: os peixes voltaram. O Tâmisa atualmente tem 125 espécies, depois de quase nenhuma nos anos 50. “Se a água circula e fica limpa, você vê os animais voltarem”, afirma Chris Coode, diretor da Thames21, ONG dedicada à melhoria da qualidade dos rios de Londres.

Leia também: Por que mais de 900 pessoas se mataram por causa deste homem?

Esse peixes “chamam” animais marinhos, incluindo as focas. Mas se a atenção do público tende a ser dirigida para criaturas maiores, ambientalistas ficam mais empolgados com o retorno de espécies menos carismáticas: as lampreias marinhas. “São animais extremamente sensíveis à poluição”, conta Coode.

Mas embora algumas ameaças tenham diminuído, outras surgiram. “O Tâmisa está definitivamente mais limpo, mas há um novo perigo: o plástico”, afirma Morritt.

Neste ano, um estudo da Universidade de Londres revelou que quase 70% dos linguados encontrados no Tâmisa tinham pedaços de plástico em seu sistema digestivo. Isso é um problema não só para as criaturas afetadas diretamente, pois o material também tem consequências para seus predadores.

O estudo levou à criação em setembro de uma campanha de combate à poluição com plástico. Mas é uma batalha complexa, já que há muitas fontes de contaminação.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Poluição com plástico é problema

Pedaços pequenos, como as hastes de cotonetes são volta e meia jogados em vasos sanitários. Podem facilmente passar pelos filtros de usinas de tratamento de esgoto e levar décadas para se decompor.

Sacolas e mesmo o invólucro de maços de cigarros pode ir para em rios mesmo de jogadas no lixo – por força do vento, por exemplo. A Thames Water, a companhia que cuida do sistema de abastecimento e esgotos de Londres, diz remover mais de 25 mil toneladas de detritos de seu sistema de tratamento.

Há outros problemas: a parte do rio que fica no centro de Londres é marcada por altas muralhas e cheia de barcos de passageiros. Isso significa que é barulhenta e lotada demais para que golfinhos nadem corrente acima em números maiores. As focas, por sua vez, são menos sensíveis ao barulho.

Leia também: Enchentes podem prejudicar até 400 mil brasileiros até 2030, diz ONG

Chuvas torrenciais ainda descarregam esgotos no rio, mas ambientalistas esperam que o problema seja resolvido com um novo túnel de escoamento, cuja construção terá início no ano que vem.

Apesar dos problemas, Guzman vê beleza no Tâmisa. Ele e seus colegas usam os intervalos nos turnos no mercado de peixe para alimentar a foca com restos dos peixes que vendem.

O vendedor tenta mais uma vez atrair o mamífero e castiga a grade de metal. A foca virou uma espécie de mascote do mercado de Billingsgate e já apareceu na mídia inglesa algumas vezes, mesmo na BBC. Mas hoje o mamífero parece ter outros planos.

Guzman não se abala. Dá uma última olhada em pássaros que parecem estar tomando sol, tendo como pano de fundo um cenário de arranha-céus feitos de metal e vidro. “É algo fantástico pensar que temos vida selvagem aqui (no meio de Londres)”, diz.

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Earth

Notícias relacionadas