'Meu sonho é ele chegar à faculdade', diz mãe de bebê com microcefalia

Foto: Camilla Costa | BBC Brasil Direito de imagem BBC Brasil
Image caption Erika Roque não sentiu sintomas da febre zika enquanto esperava Erik, hoje com 5 meses

A promotora de vendas Erika Roque, de 30 anos, só descobriu após o parto que seu filho, Erick, era um bebê com microcefalia. "Logo no nascimento, eles disseram. (...) Os exames de pré-natal não indicavam nada suspeito. Tudo normal", disse à BBC Brasil.

Ela conta que, durante a gravidez, também não percebeu nenhum sintoma de zika, como febre, dor nos músculos ou articulações, conjuntivite e manchas vermelhas na pele.

"Não tive nada", disse, acrescentando saber que, em alguns casos, a infecção pode não apresentar sintomas. "Mas às vezes me pergunto se tem mesmo algum problema (relação entre a zika e a microcefalia)."

"Meu sonho é ele entrar na faculdade. A médica disse que ele não terá condições de ir para a faculdade, mas eu creio em Deus", disse a jovem, que era uma entre as cerca de 15 mães – e alguns pais – que aguardavam atendimento na manhã desta quinta-feira no Hospital Universitário Oswaldo Cruz, em Recife, a cidade mais afetada no país pela epidemia de microcefalia.

O caso de Erick, hoje com cinco meses, é um dos 1.248 notificados em 311 municípios em 14 Estados neste ano, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde até 28 de novembro. Do total, 646 deles são de Pernambuco, onde está concentrado o maior número de ocorrências de microcefalia até agora.

Segundo médicos, é difícil prever o grau de desenvolvimento intelectual que pode ser atingindo por um bebê nascido com o problema, diagnosticado quando a circunferência da cabeça do recém-nascido é inferior a 33 centímetros.

Leia também: Quais as chances de Dilma e Cunha se salvarem?

Leia também: Por que o mosquito Aedes aegypti transmite tantas doenças?

Exames e estímulo

Direito de imagem AP
Image caption Zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti

Erik está passando por uma série de exames para que seja avaliado o nível de comprometimento causado pelas calcificações que ele têm no cérebro – tipos de cicatrizes causadas pela infecção congênita – que caracterizam este tipo de microcefalia

"Hoje, ele fez exame de sangue, ontem fez tomografia, exame no coração", listou a mãe, moradora do bairro de Afogados, zona oeste de Recife.

Essa é uma dúvida crucial entre pais e mães de bebês que nasceram com o problema. Também gera dúvidas de que tipo de intervenção médica ou educacional pode ajudar no desenvolvimento dessas crianças. No entanto, só uma observação ao longo do tempo pode indicar que sequelas a criança terá.

Para tentar compensar isso, assim que ocorre o diagnóstico os médicos recomendam não apenas exames adicionais, mas também uma série de medidas de estímulo precoce que incluem fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional.

Leia mais: Infectologista relata choque e desespero ao se deparar com início de epidemia de microcefalia

Leia mais: O que se sabe (e o que falta saber) sobre relação entre zika vírus e microcefalia

Erick, aos 5 meses, já está passando por esses procedimentos. O objetivo é fazer com que outras áreas não lesionadas do cérebro possam, com um grau variável de sucesso, assumir funções das partes comprometidas.

"O governo precisa nos ajudar. No começo, foi muito duro. Mas, agora, vendo outras famílias na mesma situação, me sinto mais informada", disse Erika. "Meu marido disse que temos que dar muito amor para ele, e é o que estamos fazendo", acrescentou a mãe.

Siga a BBC Brasil no Twitter e no Facebook

Notícias relacionadas