Extrema-direita sai na frente em primeiras eleições na França após ataques

EPA Direito de imagem EPA
Image caption Bom desempenho de Marine Le Pen não deve, necessariamente, se traduzir em poder

A mensagem do primeiro turno das eleições regionais francesas é simples e direto: outra vez, a extrema-direita saiu na frente.

Pela terceira vez em um ano e meio, Marine Le Pen pode dizer, legitimamente, que a Frente Nacional (FN) é o partido mais popular do país. Dados preliminares apontam que o partido lidera em pelo menos seis de 13 regiões da França.

Isto já havia acontecido nas eleições europeias e nas eleições departamentais, e é um desempenho impressionante para um partido que até há pouco tempo era visto como carta fora do baralho.

Os Republicanos, do ex-presidente Nicolas Sarkozy, de centro-direita, estão em segundo lugar, à frente dos Socialistas, do presidente François Hollande, segundo os primeiros números.

Leia também: A Frente Nacional mudou de cara?

Assim que os resultados preliminares foram divulgados, Le Pen disse que o "resultado excelente" provou que a Frente Nacional é "sem dúvida, o primeiro partido da França". A legenda espera, agora, que este desempenho dê fôlego para a candidatura dela à Presidência francesa, em 2017.

A disputa, que elege 1.671 representantes de 13 regiões da França, foi o primeiro teste eleitoral desde os ataques em Paris, em novembro, que deixaram 130 mortos.

As ações podem ter influenciado o voto, já que levaram ao topo da agenda nacional questões relacionadas a imigração e segurança, que sempre foram assuntos centrais da extrema-direita.

Tudo o que a FN teve a dizer foi "eu tinha avisado" - e foi difícil para os Socialistas ou Republicanos responderem.

Leia também: Por que a Finlândia está acabando com as matérias nas escolas?

Direito de imagem EPA
Image caption Partidários da Frente Nacional comemoraram os resultados preliminares
Direito de imagem Reuters
Image caption FN tem sido opção para eleitores descontentes com o status quo na França

Mas é errado ligar a vitória de Le Pen unicamente aos temores de ataques. O partido dela vinha crescendo havia quatro anos.

Os problemas que preocupam eleitores são muito mais ligados à economia e à sociedade do que à segurança. Os ataques ofuscaram, por exemplo, o anúncio dos últimos dados de desemprego. Após uma breve melhora, este número voltou a subir.

Para mais e mais eleitores, a receita oferecida pelos dois maiores partidos ( o de Sarkozy e o de Hollande) é indistinguível. Existe, claramente, um sentimento contra o status quo no qual a FN está tomando vantagem.

O bom desempenho da FN não, necessariamente, se traduzirá em poder. As eleições regionais, como a maioria das eleições francesas, são em dois turnos. No próximo domingo, eleitores poderão apoiar os dois principais partidos.

Mas em ao menos duas regiões - no norte e na Cote d'Azur - é quase uma certeza que a FN irá obter o controle. Em uma terceira - Alsácia - sua chance é bem grande. E em outras não seria uma surpresa se ganhasse.

Os dois principais partidos poderiam, em teoria, adotar medidas para evitar a vitória da Frente. O terceiro partido em uma determinada região - Socialista ou Republicano - poderia renunciar da disputa e pedir que seus eleitores votassem para impedir o avanço da FN.

Leia também: O Estado Islâmico está mesmo perdendo território?

Direito de imagem EPA
Image caption Sarkozy rejeitou aliança com Socialistas no segundo turno

O Partido Socialista já se retirou do segundo turno em pelo menos duas regiões, no norte e no sul, para evitar uma vitória da Frente.

Em anos anteriores, Republicanos e Socialistas trabalharam juntos para evitar conquistas da Frente. Mas as duas maiores legendas decidiram que é melhor para a democracia que elas permaneçam na disputa - mesmo que isso signifique maiores chances para a extrema-direita.

Regras diferentes impedem que esta situação se repita na eleição que realmente importa - à Presidência. Nesta, apenas dois candidatos avançam ao segundo turno: como no Brasil, nunca é uma disputa entre três nomes.

Então, mesmo se Marine Le Pen avançar ao segundo turno das eleições presidenciais, é improvável que ela vença: a maioria combinaria seu voto para o candidato adversário.

Isto, certamente, deixa seus rivais mais aliviados.

Notícias relacionadas