Tóquio planeja estádio 'bom e barato' para Jogos de 2020

Direito de imagem AP
Image caption Esta é uma das imagens que o arquiteto Kengo Kuma apresentou para os jurados dos projetos

Mais barato e menor: assim é o novo desenho do estádio olímpico que será o principal palco da Olimpíada de 2020, em Tóquio.

A cidade japonesa deixou de lado a ambiciosa proposta da célebre arquiteta anglo-iraquiana Zaha Hadid para apresentar um novo projeto, em uma escala mais reduzida, mas que reúne as principais características que o governo do país gostaria: um estádio bom, bonito e menos custoso.

O desenho inicial feito por Hadid tinha um custo muito alto para a construção – a obra não sairia por menos de US$ 2,08 bilhões (R$ 8,32 bilhões) – e por isso acabou descartado.

Estima-se que para levantar o novo projeto, mais econômico, de autoria do arquiteto japonês Kengo Kuma, seja necessária praticamente a metade daquele valor – US$ 1,2 bilhão (R$ 4,8 bilhões).

Leia também: Confira 10 museus atingidos por incêndios no mundo

Siga a BBC Brasil no Facebook e no Twitter

A isso é preciso somar mais cerca de US$ 33 milhões (R$ 131 milhões) pelo desenho e manutenção do projeto.

Caso o desenho de Zaha Hadid tivesse saído do papel, ele teria se tornado uma das obras esportivas mais caras do mundo.

A arquiteta se disse "chocada" com a decisão de descartar seu projeto e afirmou à Associated Press que a questão não era financeira. "Aliás, muito do nosso design e dos cortes de custos que recomendamos foram validados pelas impressionantes semelhanças entre nosso projeto original e o anunciado hoje (terça-feira)."

A decisão de descartar o projeto da arquiteta iraquiana provocou uma polêmica que levou à renúncia, em outubro, do ministro da Educação e dos Esportes do Japão, Hakubun Shimomura.

Direito de imagem Conselho Esportivo do Japao
Image caption Projeto de Hadid se assemelhava a um capacete de ciclista e, caso saísse do papel, seria uma das obras esportivas mais caras do mundo

Princípios básicos

O desenho de Kuma lembra o estilo dos templos japoneses, com uma estrutura mais baixa de aço e madeira.

Os apoiadores do projeto dizem que ele terá mais "sintonia" com o ambiente onde está localizado – que inclui espaços verdes ao redor do Santuário Meiji.

"Acredito que esse é um plano maravilhoso que reúne critérios como os princípios básicos: o período de construção e os custos", afirmou o primeiro-ministro Shinzo Abe ao anunciar a escolha. A construtora japonesa Taisei Corp será a responsável por erguer o estádio.

O projeto venceu a proposta do arquiteto Toyo Ito, que também era mais simples do que o de Hadid.

Leia também: 'Poderia ter sido eu', diz Elza Soares sobre chacina de Costa Barros

Direito de imagem AFP
Image caption Arquiteto Kuma explica detalhes do seu projeto ao Conselho Esportivo do Japão
Direito de imagem AP
Image caption Capacidade do estádio será de 68 mil pessoas

O desenho da arquiteta iraquiana foi comparado a um capacete de ciclista - e até a uma ostra - e ocuparia uma área bem maior: de 78 mil metros quadrados.

Já o projeto de Kuma tem uma previsão mais rápida de construção e ocupa 72,4 mil metros quadrados. O prazo dado pelo Comitê Olímpico Internacional para a conclusão do estádio é janeiro de 2020 – os Jogos Olímpicos começarão em julho.

O novo projeto também tem atraído comparações bizarras – alguns o veem como uma pilha de panquecas ou de hambúrgueres.

A capacidade do estádio será de 68 mil pessoas, ainda qu,e depois da Olimpíada, será possível expandir esse número para 80 mil.

Direito de imagem AP
Image caption Estádio ocupará 72,4 mil metros quadrados

Leia também: O verão 'mais quente dos últimos anos' começou: não morra de calor