Venezuela: governistas tentam barrar eleição de 8 deputados opositores

Direito de imagem EPA
Image caption Governistas tentam impedir posse de oito deputados da oposição

Um grupo de candidatos governistas derrotados nas eleições parlamentares no início do mês na Venezuela entraram com recursos para impugnar a vitória de oito candidatos da oposição.

O Tribunal Superior de Justiça Eleitoral do país recebeu o pedido solicitando que “medidas cautelares” fossem tomadas para suspender a eleição deles e impedir que tomem posse no próximo dia 5 de janeiro.

Os recursos são de 28 de dezembro e os motivos alegados pelos governistas para apresentá-los não foram revelados - mas eles têm em comum o fato de serem contra deputados de circuitos onde o número de votos nulos foi maior do que a diferença entre o vencedor da eleição e o segundo colocado.

Leia também: Quatro desafios da oposição venezuelana após vitória nas eleições

A ação é um mecanismo previsto na legislação venezuelana para impugnar o resultado e pode levar à repetição das eleições nos seis distritos questionados.

O Conselho Nacional Eleitoral havia confirmado a eleição de 112 candidatos da Meda da Unidade Democrática, o que dava à coalizão da oposição a maioria dos dois terços na Assembleia Nacional – o que, na prática, significa mais poder para os opositores, que poderiam até demitir ministros.

Se os oito deputados forem impedidos de tomar posse, a oposição somaria 104 deputados e não teria mais os dois terços.

O secretário executivo da oposição Mesa de Unidade Democrática, Jesús Torrealba, criticou a atitude dos governistas em sua conta no Twitter.

"A liderança derrotada entrou com seis novas ações contra a vontade do povo expressa em 6 de dezembro”, afirmou.

Na semana passada, a maioria governista do Parlamento convocou uma série de sessões extraordinárias para nomear 13 novos juízes do Superior Tribunal de Justiça de um total de 32. A oposição boicotou as sessões e classificou a atitude como uma tentativa dos governistas de garantir o controle do Tribunal.

As eleições de 6 de dezembro interromperam uma hegemonia chavista no Parlamento que já durava 16 anos.

Leia também: 'Affluenza': a suposta doença que afetaria filhos de famílias ricas

Circuitos impugnados

  • Amazonas, circunscrição 1
  • Yaracuy, circunscrição 2
  • Representação indígena região do sul
  • Aragua, circunscrição 2 (2 deputados)
  • Aragua, circunscrição 3
  • Aragua, circunscrição 4 (2 deputados)