Por que milicianos brancos armados tomaram reserva ambiental nos EUA

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Homens armados invadiram parque no sábado

Com cópias da Constituição americana nas mãos e se dizendo desarmados, dois homens receberam a reportagem da BBC em um parque nacional no Estado americano do Oregon.

A polícia, entretanto, avisou sobre a presença de homens armados dentro do Malheur National Wildlife Refuge, reserva florestal estabelecida pelo presidente Theodore Roosevelt em 1908, onde, desde sábado, integrantes de uma milícia antigoverno ocupam escritórios federais.

Direito de imagem Reuters
Image caption Emblema em uniforme de um dos milicianos diz 'Liberdade ou morte'

O local, popular entre observadores de pássaros, parece um improvável palco de conflitos ou de opressão por parte do governo. Mas os homens que estão ali - milicianos ativistas engajados em protestos contra o que vem contra ingerência do governo - dizem justamente que o governo federal extrapolou sua autoridade e não tem direito àquela terra.

A disputa, que ganhou os noticiários nacionais, começou com a prisão de dois fazendeiros, com terras que fazem fronteira com o parque, condenados por incêndios criminosos.

Dwight Hammond, 73, e seu filho Steven, 46, foram condenados em 2012 e cumpriram pena por incêndio criminoso em terreno federal, mas a Justiça decidiu que as sentenças originais eram muito curtas e que eles terão que voltar à prisão.

Eles dizem que provocaram incêndios para conter animais selvagens.

A família já se distanciou do grupo de milicianos que ocupou a reserva florestal e diz que irá cumprir a decisão. Mas os milicianos afirmam que os valores fundamentais dos EUA foram traídos, que planejam ficar ali por anos e que farão uso da violência caso a polícia tente expulsá-los de lá.

"Queremos que esse seja um lugar-base para que patriotas de todo o país venham e se abriguem aqui. E nós planejamos ficar por aqui", afirma Ammon Bundy, líder da ocupação.

Direito de imagem Reuters
Image caption Líderes do grupo pediram que outros fazendeiros se unam a eles

Membros do grupo fizeram apelos para que fazendeiros do país inteiro pegassem em armas e se juntassem a eles. Eles defendem - em entrevista ao jornal The Oregonian - o fechamento do parque nacional e o retorno de fazendeiros que tinham sido expulsos pelas autoridades do local.

Mas outros moradores da região estão insatisfeitos - placas com "Milícia volte para casa" foram espalhadas pelo local.

Críticos da ocupação estão pedindo que as autoridades federais intervenham e acabem com a ocupação. Eles acusam os invasores de serem terroristas domésticos, usando a força para impor sua vontade.

Direito de imagem AFP
Image caption Polícia ainda não interveio apesar de área ser federal

Nas redes sociais também houve críticas, principalmente pelo fato de a polícia não ter interferido ainda, apesar de o parque ser propriedade do governo federal.

Muitos tuítes questionam se a reação seria a mesma caso os invasores fossem negros.

"Perdi a Guarda Nacional no Oregon? Lembro deles em Ferguson e Baltimore [onde atuaram em protestos após morte de jovens negros], escreveu o usuário @Rolandsmartin.

Os invasores dizem que não querem machucar ninguém, mas afirmaram que não descartam usar violência se a polícia tentar tirá-los dali, de acordo com o jornal Oregonian.