Conheça o mundo de quem ganha milhões de dólares para jogar videogame

Direito de imagem One Planet Pictures
Image caption Com o avanço da popularidade do esporte eletrônico, crescem também prêmios, patrocínios e empregos

Como a maioria dos adolescentes nos anos 1990, Aleksey Krupnyk passou boa parte de seu tempo livre jogando videogames. Mas, diferentemente de outros jovens, esse jogador ucraniano passou a ganhar a vida "matando" vilões.

Em 2003, aos 23 anos, ele venceu seu primeiro grande torneio de jogos eletrônicos. O prêmio foi um laptop, que vendeu por US$ 1,4 mil (cerca de R$ 5.580, pela cotação mais recente) — muito dinheiro na Ucrânia naquela época. "É uma loucura de grana", disse. "Poderia comprar um carro aqui."

Quando Krupnyk começou a jogar por dinheiro, a indústria do esporte eletrônico – gamers competindo contra gamers — ainda estava na infância. Ele conseguiu fazer uma renda considerável: US$ 33,5 mil (R$ 133,6 mil) em torneios e US$ 2 mil (R$ 7.900) por mês de patrocinadores em 2011, auge de sua atividade.

Segundo o site especializado E-Sports Earnings, quatro jogadores ganharam, juntos, US$ 1,73 milhão (R$ 6,8 milhões) em 2015, enquanto vários fizeram mais de US$ 100 mil (R$ 398 mil).

Os chamados eSports ainda estão longe de movimentar a economia do esporte como o basquete ou o futebol, mas a consultoria SuperData Research, de Nova York, estima que o mercado global do setor irá passar dos US$ 748 milhões (R$ 2,9 bilhões) atuais para US$ 1,9 bilhão (R$ 7,5 bilhões) em 2018.

Em 2015, 188 milhões de pessoas assistiram a disputas de jogos eletrônicos na internet ou na TV, ante 71,5 milhões em 2013.

O mercado está em alta por várias razões: há mais pessoas do que nunca jogando online (vendas mundiais de jogos eletrônicos bateram US$ 114 bilhões em 2015), gamers podem competir uns contra os outros pela internet, e anunciantes sedentos para atingir a faixa de 18 a 35 anos começaram a bancar torneios, explica Joost van Dreunen, CEO da SuperData.

Tornando-se um pro

Há centenas de gamers que se consideram profissionais, e esse número só irá crescer, diz Ralf Reichert, diretor da Turtle Entertainment, empresa que organiza e promove grandes competições e ligas de eSports.

Direito de imagem One Planet Pictures
Image caption Setor projeta crescimento no número de jogadores profissionais

Como em outros esportes, uma grande fatia dos competidores ganha quantias menores – 300 entre 500 jogadores registrados na base de dados da E-Sports Earnings faturaram menos de US$ 50 mil em torneios em 2015 –, mas o amadurecimento da indústria traz possibilidades crescentes de ganhos maiores, avalia Reichert.

Transformar o jogo caseiro em vitória em competições pode demandar horas de prática, habilidade acima da média e dedos velozes, diz van Dreunen. Uma pessoa normal completa cerca de 100 ações por minuto durante um jogo, enquanto profissionais somam, em média, 350 a 500 ações.

O próprio ato de completar jogos como League of Legends, StarCraft II e Dota 2, games de aventura para múltiplos jogadores, requer estratégias planejadas e pensamento rápido.

Não é algo muito diferente do xadrez, embora bem mais rápido. "É como se o hóquei no gelo e o xadrez tivessem um filho", afirma van Dreunen. "É rápido, é frenético, mas é também sobre o quadro mais amplo – você vê seu rival fazendo algo e tem que responder a aquilo."

Subindo a ladeira

O caminho para ganhar dinheiro nesse esporte é apenas um: vencer, vencer e vencer um pouco mais. Na Ucrânia, Krupnyk não tinha computador em casa então se filiou a um clube de informática em sua cidade natal.

À medida que foi melhorando em seu jogo preferido — StarCraft: Brood War, o antecessor de StarCraft II —, ele começou a ganhar dos colegas de clube. Passou a ser convidado a jogar contra pessoas em diferentes clubes – e a ganhar delas. Entrou então em torneios online contra jogadores na Coreia do Sul, país berço dos eSports, e faturou tudo também.

Direito de imagem One Planet Pictures
Image caption Emil Christensen transformou a paixão por videogames em negócio rentável

Para chegar de fato ao topo, você precisa entrar em uma equipe. Como em outros esportes, técnicos e olheiros procuram os melhores jogadores para contratá-los e inscrevê-los nos maiores campeonatos.

Krupnyk assinou seu primeiro contrato em 2004. Ganhava apenas US$ 100 (cerca de R$ 400) por mês na época, mas depois se juntou a outro time em que ganhava US$ 24 mil (R$ 95 mil) por ano, sem contar os prêmios por vitórias.

O apelo do esporte eletrônico é ser uma indústria global em que qualquer um pode se dar bem. Hoje a Coreia do Sul ainda é um polo importante desse negócio, mas EUA, Europa e Ásia vêm crescendo mais, diz van Dreunen.

Investimentos relacionados a eSports, afirma, chegaram a US$ 321 milhões (R$ 1,2 bilhão) na Ásia em 2015, cerca de US$ 100 milhões (R$ 400 milhões) a mais do que os EUA.

Mais do que um jogo

Ser um profissional dos games não é uma carreira de longo prazo. A popularidade dos jogos muda muito rápido, e quando isso ocorre sua renda pode cair de forma dramática. As longas horas de prática também não são muito compatíveis com a vida familiar, diz Krupnyk, que passou a competir bem menos desde que seu filho nasceu.

Felizmente, há outros empregos nessa indústria. Krupnyk, por exemplo, trabalha hoje como gerente de parcerias para a Twitch.TV, uma comunidade online para gamers.

A empresa de Reichert tem 400 funcionários pelo mundo e está com 40 novas vagas abertas. A firma precisa de tudo o que uma típica companhia de mídia precisa – publicitários, apresentadores de TV, profissionais de produção, contadores, gente de finanças.

Embora o ato de competir tenha validade, quem começa a jogar nunca para de verdade. "Uma vez um jogador profissional", diz Krupnyk, "jogador profissional para o resto da vida".