Leopardo que feriu seis em escola indiana está novamente à solta

Kashif Masood Direito de imagem Kashif Masood
Image caption Imagens internas da jaula do leopardo mostram uma fresta debaixo da porta

O leopardo que feriu seis pessoas em uma escola da Índia no início do mês está novamente a solta. O animal, que tinha sido levado para tratamento no Parque Nacional de Bannerghatta, nos arredores da cidade de Bangalore, fugiu de sua jaula no domingo.

O felino teria escapado após um dos tratadores não ter trancado a jaula apropriadamente. Uma investigação será aberta para apurar o episódio.

"Há uma série de contradições nos testemunhos dos funcionários do parque. Falam até que o animal pode ter escapado por uma fresta na jaula. Pedimos uma investigação e saberemos mais detalhes nos próximos dias", disse à BBC o responsável pela agência de controle ambiental do estado de Karnataka, Ravi Ralph.

Image caption Guardas florestais buscam rastros do felino

Autoridades indianas disseram não haver motivos para preocupação por parte da população, e guardas florestais começaram a visitar aldeias localizadas nas redondezas do parque para tranquilizar os moradores.

"É um mito a história de que um leopardo pode se tornar um devorador de humanos. Essa é uma exceção muito remota à regra", completou Ralph.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

No último dia 7, o leopardo invadiu a Vibgyor International School. Foram necessárias quase 12 horas para que policiais e guardas florestais conseguissem capturá-lo.

O animal feriu seis pessoas, incluindo funcionários da escola. Imagens do ataque viralizaram na internet.

Image caption Imagens do ataque correram o mundo

De acordo com o mais recente recenseamento, a Índia tem uma população de leopardos estimada entre 12 mil e 14 mil animais.

É bastante comum que estes e outros felinos acabem entrando em áreas habitadas. Ambientalistas já alertaram que os encontros entre homens e animais deverão aumentar no país por causa do crescimento urbano desordenado e o desmatamento.

Notícias relacionadas