Depoimento de Charlie Sheen contribuiu à prevenção a Aids, diz estudo

AP Direito de imagem AP
Image caption Ator Charlie Sheen revelou que era HIV positivo em novembro, em entrevista para um canal americano

As buscas sobre HIV no Google atingiram um recorde nos Estados Unidos horas depois que o ator Charlie Sheen anunciou que era HIV positivo, em novembro.

Pesquisadores encontraram 2,75 milhões pesquisas a mais do que o esperado, na comparação com tendências anteriores, logo após Sheen revelar a doença na TV americana.

As pesquisas online por camisinhas, sintomas de HIV e testes para HIV também aumentaram.

Os pesquisadores dizem que o “efeito Sheen” deve ser capitalizado para aumentar o conhecimento sobre o vírus.

‘Efeito Sheen’

Em termos relativos, as pesquisas sobre HIV foram 417% maiores do que o esperado no dia da revelação de Sheen.

Buscas sobre camisinhas, como “comprar camisinhas”, aumentaram 75%. As relacionadas a sintomas de HIV, como “sinais de HIV”, e a testes de HIV, como “encontrar testes de HIV”, cresceram 540% e 214% respectivamente, no dia da entrevista do ator, e continuaram altas por três dias.

O professor da Universidade Estadual de San Diego John Ayers disse, na revista da Associação Médica Americana, que “apesar de ninguém ser forçado a revelar se é HIV positivo e todos os diagnósticos serem trágicos, a revelação de Sheen deve beneficiar a saúde pública por, potencialmente, ajudar muitas pessoas a aprender sobre HIV e sua prevenção”.

Direito de imagem Getty
Image caption Angelia Jolie fez cirurgia para retirar os seios por ter grande chance de desenvolver câncer

Em novembro, Sheen, ex-estrela da série Two and a Half Men, disse que tinha se esforçado para manter no âmbito privado o fato de ser soropositivo.

Ele revelou ao apresentador da NBC Matt Lauer que tinha sido forçado a pagar quantias milionárias para evitar que pessoas fossem a público falar sobre sua doença.

“Eu tive que dar um basta a esse ataque, a esse bombardeio de ataques e meias verdades”, disse, completando que ele tinha sido diagnosticado quatro anos antes.

“Não vou ser um porta-voz para isso, mas não vou fugir das responsabilidades e oportunidades que me levem a ajudar outros.”

Ele não é a primeira celebridade com problemas de saúde a provocar um efeito cascata no público.

O conhecimento sobre a remoção e reconstrução mamária cresceu massivamente após a experiência da atriz Angelina Jolie ser publicada na imprensa. Ela retirou os seios após descobrir que tinha grande risco de desenvolver câncer.