Cinco anos de tsunami no Japão: a destruição vista por fotógrafo que fugiu das águas

(Foto: © Shinpei Kikuchi) Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Image caption Fotógrafo Shinpei Kikuchi registrou a destruição causada pelo tsunami em Kamaishi, no Japão

Quando o nordeste do Japão foi atingido pelo forte tremor de 9 graus de magnitude no dia 11 de março de 2011, a primeira coisa que o fotógrafo Shinpei Kikuchi, de 67 anos, fez foi pegar a câmera e sair correndo para a região mais alta da cidade.

"Corri em direção a um centro de evacuação com o tsunami perto dos meus calcanhares", lembra o japonês, que passou a fotografar toda a fuga. "Não tirei as fotos com o objetivo de fazer um registro daquele acontecimento para mostrar às pessoas depois. Foi apenas um instinto", diz.

As fotos de Kikuchi hoje viajam o Japão todo e, na semana que marca os cinco anos de uma das piores tragédias naturais da história do país, a exposição foi aberta em Tóquio.

"Na medida do possível, quero que as pessoas não se esqueçam daquele dia. Quero que elas vejam as fotos e percebam também que a reconstrução está sendo feita", explica.

Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi

Abrigo

Kikuchi voltou a viver na antiga casa com a esposa e os três filhos em Kamaishi, sua cidade natal localizada na província de Iwate, e que foi praticamente destruída pelas ondas gigantes.

Algumas das imagens mais fortes da tragédia são da pequena cidade, dos primeiros locais atingidos pelo tsunami. No dia de seu maior teste, os muros construídos para conter o mar não aguentaram a força da natureza.

Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi

Mas se a natureza destruiu Kamaishi, ela também salvou a maior parte de seus moradores. Colinas próximas à costa ofereceram a eles a segurança que as barreiras artificiais não conseguiram garantir.

"O tsunami foi mais rápido e mais forte do que eu imaginava", lembra ele. "Naquela correria, minha mulher ficou presa num telhado e foi levada pelas águas, mas conseguiu sobreviver e apareceu no abrigo à noite", conta.

Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi

Daquele dia em diante, o fotógrafo e a família passaram a viver como refugiados em abrigo provisório. Alguns meses depois foram para uma moradia alugada, enquanto reformavam a antiga casa.

"Tem gente que não sabe se vai poder sair dos abrigos temporários e retornar a suas casas antigas. Morar em outro lugar é uma possibilidade", lamenta.

Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi

Registro fotográfico

Para se manter ocupado, o japonês deixava o abrigo logo pela manhã para fotografar a cidade nos dias que se seguiram ao tsunami.

Enquanto a maioria das pessoas ainda dormia, ele andava pelos locais destruídos em busca de imagens. "Isso se tornou minha rotina diária."

Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi

Ele segue fotografando. Acumula cerca de 30 mil imagens por mês, todas devidamente arquivadas com a ajuda dos dois filhos mais velhos, também fotógrafos.

Nestes cinco anos, Kikuchi registrou de tudo: a vida cotidiana, as mudanças de estação, eventos tradicionais e, principalmente, a reconstrução da cidade natal.

Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Direito de imagem Shinpei Kikuchi
Image caption Kikuchi também registrou homenagens às vítimas

"Quero continuar a registrar as pessoas e mostrar, através das imagens, como elas se esforçam para reconstruir suas comunidades e, assim, garantir que as memórias desta catástrofe não desapareçam com o tempo."

Segundo dados oficiais do governo japonês, um total de 15.894 pessoas morreram no terremoto de 9 graus seguido de tsunami, que devastou o litoral nordeste do Japão. Outras 2.572 pessoas continuam na lista de desaparecidos.

Direito de imagem Ewerthon Tobace l BBC Brasil
Image caption Shinpei Kikuchi (ao centro), durante abertura da exposição em Tóquio