'Quem disser saber o que se passará no Brasil nos próximos meses está mentindo', diz autora de livro sobre PT

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Analista britânica diz que não vê como Lula poderia evitar a debandada do PMDB

O cenário do país após a nomeação de Lula para a Casa Civil está ainda mais imprevisível, e é difícil saber se a entrada do ex-presidente no governo vai salvar ou afundar de vez o mandato de Dilma Rousseff, dizem analistas estrangeiros ouvidos pela BBC Brasil.

A nomeação ocorre um dia depois da homologação da delação premiada do senador Delcídio do Amaral, o qual afirmou que Dilma "tinha pleno conhecimento" sobre o processo da compra da refinaria de Pasadena, nos EUA – que depois causou prejuízos à Petrobras –, e que Lula teria tentado "comprar o silêncio" de Marcos Valério durante o mensalão. Ambos negam as acusações.

Acuada pelas notícias negativas, a petista tenta, com a nomeação do ex-presidente para o cargo mais importante de seu gabinete, salvar seu mandato de um processo de impedimento que parece cada vez mais iminente.

No entanto, para Jan Rocha, jornalista britânica radicada no país e coautora de Brazil Under the Workers' Party: From Euphoria to Despair (Brasil sob o PT: da Euforia ao Desespero, em tradução livre), a aposta da presidente é arriscada.

"Se as coisas derem errado – e não há razões para simplesmente presumir que elas darão certo -, isso também poderá afetar as chances de Lula de disputar as eleições de 2018", diz a jornalista.

Ela também afirma que não vê como Lula, chamado de "animal político" por seu poder de articulação, poderia a "evitar a debandada do PMDB". "O que ele pode negociar? A pessoa que disser saber o que se passará no Brasil nos próximos meses está mentindo."

Sobrevivência

A habilidade do ex-presidente de convencer o partido é, para Jimena Blanco, analista-chefe para as Américas da empresa de análise Verisk Maplecroft, o que vai determinar a sobrevivência (ou não) de Dilma.

A expectativa é de que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), destrave novamente o trâmite do impeachment com o anúncio, até o fim desta semana, da formação da Comissão Especial que emitirá um parecer a favor ou contra a abertura do procedimento.

"Mas a estratégia é de risco e pode sair pela culatra. A decisão do PMDB vai depender muito da reação popular à nomeação de Lula. Se ela fortalecer o movimento pró-impeachment, isso poderá fazer o PMDB oscilar para o lado da ruptura com o governo", afirma Blanco.

Ela acrescenta que a entrada do ex-presidente aponta para mudanças no governo: a possibilidade de Dilma oferecer proteção a Lula, que ganha foro privilegiado e não será julgado por Sérgio Moro, sugeriria que ela não está tão comprometida com a política de faxina prometida em 2010.

Teria contribuído para Lula aceitar o convite o fato de a juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo, ter transferido a Moro a decisão sobre o pedido de prisão preventiva apresentado pelo Ministério Público paulista contra o petista, sob a justificativa de que Moro teria mais competência para decidir a questão.

Em coletiva nesta quarta-feira, Dilma disse que "(a mudança de foro) não significa que uma pessoa não é investigada, só (muda) por quem ela é investigada. A verdade é que a vinda de Lula fortalece o meu governo, e muita gente não quer ele fortalecido."

Ao mesmo tempo, para Blanco, a nomeação dá margem para especulações sobre alterações na política econômica do governo, da qual o ex-presidente é crítico. A crise econômica é um dos motivos do forte desgaste da presidente – a economia brasileira recuou 3,8% em 2015, segundo o IBGE, e caminha para tombo semelhante neste ano, segundo economistas.

E o economista do Peterson Institute for International Economics William Cline diz que as acusações contra Lula, aliadas à possibilidade de ele usar a indicação ministerial "para prorrogar sua eventual prisão", aumentam a incerteza política e têm reflexo na economia.

"Não acredito que os mercados financeiros vão reagir positivamente, apesar do excelente desempenho da economia brasileira quando Lula foi presidente. Por causa da queda no preço das commodities, a má gestão da política econômica e o adiamento das decisões como consequência do escândalo da Petrobras, o cenário para o Brasil já era de recessão neste ano e de quase zero crescimento no ano que vem."

Vantagens e desvantagens

Diante de tantas ponderações, a entrada oficial de Lula tem potencial para causar impactos positivos e negativos para o governo.

De um lado, o ex-presidente agrega ao governo sua enorme capacidade de articulação política e de se comunicar com as classes mais pobres e os movimentos sociais – habilidades úteis para enfrentar a crise política, que faltariam em Dilma.

De outro, abre espaço para críticas de que o líder petista esteja buscando proteção contra eventuais decisões do juiz Sergio Moro – responsável por julgar ações da operação Lava Jato na primeira instância. Ao virar ministro, Lula passa a ter foto privilegiado e a ser as acusações contra si avaliadas pelo Supremo Tribunal Federal.

  • Com reportagem de Fernando Duarte e Luís Guilherme Barrucho, da BBC Brasil em Londres