Destruição do EI em Palmira foi 'menor do que se esperava'

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Ruínas da cidade estão majoritariamente intactas

Depois de 10 meses sob controle do grupo extremista muçulmano Estado Islâmico, a cidade histórica de Palmira, na Síria, foi libertada por tropas leais ao presidente do país, Bashar al-Assad. Especialistas temiam que os soldados fossem encontrar um cenário de desolação no que diz respeito às relíquias - o grupo extremista é conhecido pelo vandalismo do que considera símbolos profanos.

Direito de imagem AFP
Image caption Os resquícios do Arco do Triunfo, outro monumento milenar destruído pelos militantes

Porém, enquanto alguns tesouros arqueológicos foram realmente destruídos, a maior parte das ruínas de Palmira permanece intacta.

Direito de imagem Reuters
Image caption No entanto, houve vandalismo no museu de Palmira

Estratégia

"Estávamos esperando o pior, mas a cidade está no que podemos chamar de boa forma", disse à agência de notícias AFP Maamoun Abdulkarim, uma espécie de Ministro das Antinguidades sírio.

Direito de imagem AFP
Image caption Cidade histórica síria ficou 10 meses sob domínio do Estado Islâmico

Com o auxílio de bombardeios russos, o exércio sírio expulsou os militantes do Estado Islâmico, que tomaram Palmira em maio do ano passado e executaram o arqueólogo responsável pelas ruínas, depois dele se recusar a informar a localização de algumas relíquias arqueológicas que haviam sido escondidas.

Direito de imagem AFP
Image caption Usado para execuções de vítimas do Estado Islâmico, o anfiteatro de Palmira não foi depredado

A cidade histórica fica em uma área estratégica, próxima à estrada que liga a capital síria, Damasco, à Deir al-Zour, localidade do leste do país que é disputada pelo Estado Islâmico e as forças leais à Assad.

Image caption Detalhe do portal de entrada do Templo de Bel, também destruído pelo EI

Nos meses em que dominou Palmira, o Estado Islâmico divulgou imagens da destruição de sítios arqueológicos - dois templos com mais de 2 mil anos de idade, por exemplo, foram implodidos. Os jihadistas fizeram o mesmo em localidades no Iraque.

Direito de imagem UN OSAT
Image caption Imagens de satélite mostram que templo de dois mil anos de idade foi implodido

De acordo com informações da Unesco, a agência da ONU para a educação, ciência e cultura, Palmira tinha pelo menos mil colunas, um aqueduto romano e uma necrópole com mais de 500 tumbas antes da invasão do Estado Islâmico. Antes do início da Guerra Civil Síria, em 2011, a cidade recebia cerca de 150 mil turistas por ano.

Image caption Artefatos danificados na entrada do Museu de Palmira

Notícias relacionadas