Lava Jato e legado de Fujimori marcam eleição presidencial no Peru

Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Keiko Fujimori desponta como favorita na corrida presidencial do Peru

Após uma campanha influenciada por revelações da operação Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção na Petrobras, e marcada por polêmicas envolvendo a candidata favorita, Keiko Fujimori, 23 milhões de peruanos vão às urnas neste domingo para eleger um novo presidente, dois vice-presidentes e os congressistas do país.

As notícias sobre a Lava Jato ocuparam as manchetes dos jornais e sites peruanos em várias ocasiões durante a corrida pela presidência, embora as maiores polêmicas tenham sido ligadas a Keiko ─ e em especial, ao legado de seu pai, Alberto Fujimori, presidente do país entre 1990 e 2000. Ele está preso cumprindo uma pena de 25 anos por crimes contra a humanidade.

Segundo analistas, os candidatos peruanos mais prejudicados pelo escândalo brasileiro teriam sido os que hoje têm poucas chances de vitória: os ex-presidentes Alan García (1985-1990 e 2006 a 2011) e Alejandro Toledo (2001 a 2006).

Isso porque alguns dos negócios feitos no Peru com empreiteiras brasileiras ─ e questionados pela operação ─ foram fechados durante suas gestões.

"A Lava Jato teve um impacto significativo na opinião pública peruana", disse à BBC Brasil o economista Carlos Aquino, professor da Universidade Mayor de San Marcos, em Lima, capital do Peru.

No mês passado, o jornal El Comércio, de Lima, publicou uma pesquisa da IPSOS indicando que para 62% dos peruanos "empreiteiras brasileiras estenderam tentáculos ilícitos no país" e para 83% "(o atual presidente Ollanta) Humala está vinculado com os escândalos no Brasil".

No mesmo levantamento, 55% afirmaram "estar informados de que a Polícia Federal brasileira vinculou Humala (à Lava Jato) por ele ter recebido US$ 3 milhões (cerca de R$ 11 milhões, em valores atuais) da Odebrecht em 2011", ano da campanha em que foi eleito.

Keiko

Direito de imagem AFP
Image caption Desdobramentos da Lava Jato envolveram governos de Alan García e Alejandro Toledo, que concorrem de novo à presidência do Peru

O escândalo brasileiro passou longe de Keiko, do partido Fuerza Popular (em geral definido como de centro-direita ou direita), que, segundo pesquisas, teria cerca de 36% das intenções de voto.

Em segundo lugar na corrida eleitoral, aparecem tecnicamente empatados os candidatos Pedro Pablo Kuczynski, do Peruanos por El Kambio (Peruanos pela Mudança), e Verónika Mendoza, do Frente Amplo.

Kucynski, conhecido como PPK, foi ministro da Economia e Finanças e é definido pela imprensa local como um político de centro-direita ou de direita.

Já Verónika, de esquerda, conhecida pelo diminutivo 'Vero', se opõe radicalmente às propostas dos adversários e ao modelo de abertura econômica ─ implementado por Alberto Fujimori e que continuou em vigor. Ela se define como "antifujimorista".

A expectativa é que haja um segundo turno em 5 de junho, caso as pesquisas sejam confirmadas e nenhum candidato supere os 50% dos votos neste domingo.

Na semana passada, peruanos contrários a Keiko e seu pai foram às ruas para protestar na data que marcou o 24º aniversário do que ficou conhecido como o "autogolpe" de Fujimori ─ quando ele determinou o fechamento do Congresso Nacional, alegando que precisava de mais poderes para recuperar a economia e derrotar grupos guerrilheiros.

Fujimori foi condenado à prisão após ser considerado responsável por uma série de assassinatos e sequestros cometidos por forças de segurança durante seu governo ─ em especial duas matanças: a de Barrios Altos (1991) e de La Cantuta (1992).

Direito de imagem AP
Image caption Investigações da Lava Jato estão influenciando corrida presidencial no Peru

Críticos costumam se lembrar de Fujimori como um líder autoritário que atentou contra a independência das instituições peruanas para preservar seu poder e que chegou a fugir para o Japão após a explosão de um escândalo de corrupção.

Mas ele ainda tem simpatizantes principalmente entre os peruanos mais pobres ─ que atribuem a ele a derrota da guerrilha do Sendero Luminoso e de outros grupos, além do fim da crise que o país atravessou nos anos 80, no governo de Alan García.

Keiko de 40 anos, é formada em administração de empresas nos Estados Unidos, e foi primeira-dama no governo de seu pai (seus pais haviam se separado).

Ela concorre à presidência pela segunda vez ─ na primeira, perdeu para Humala.

Em seus discursos, promete que não cometerá os "erros" do governo de seu pai. Também diz que governará para os mais pobres e defende as reformas econômicas aplicadas por Fujimori.

'Interesse limitado'

Fontes brasileiras, porém, dizem que, qualquer que seja o candidato vencedor, o interesse do Brasil nos resultados da eleição peruana é mais limitado este ano que na votação que levou à vitória de Humala.

Direito de imagem AP
Image caption Alberto Fujimori governou o Peru por 10 anos; ele cumpre pena de 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade

"Com os escândalos no Brasil, desta vez acompanhamos a eleição peruana sem o envolvimento que tivemos na eleição de 2011, que contou com marqueteiros brasileiros e conselhos de políticos de peso do Brasil na campanha de Humala", disseram fontes de Brasília sob a condição do anonimato.

Na época, lembraram, o Brasil tinha forte interesse na expansão dos negócios do Peru ─ em parte justamente em função das obras envolvendo empreiteiras brasileiras, que agora são alvo da Lava Jato.

No dia 4, o site de notícias Semana Econômica publicou que o diretor-executivo da Odebrecht Latinvest, Jorge Barata, teria afirmado que a empreiteira estaria vendendo seus investimentos no Gasoduto Sur Peruano, um dos principais investimentos do setor no país.

O Peru é o oitavo principal parceiro comercial do Brasil na América do Sul. No ano passado, o intercâmbio comercial (soma das exportações e importações) entre os dois países totalizou cerca de US$ 3 bilhões (R$ 10,8 bilhões), queda de 13% em relação a 2014.

Notícias relacionadas