Como o número de tigres aumentou pela primeira vez em 100 anos

Encontro na Índia quer garantias de que população de tigres duplicará até 2022

Crédito, thinkstock

Legenda da foto,

Encontro na Índia quer garantias de que população de tigres duplicará até 2022

O número de tigres aumentou pela primeira vez em um século, apesar do perigo de extinção que ronda a espécie há muitos anos.

Os conservacionistas do World Wildlife Fund (WWF) calculam que em 1916 existiam cerca de 100 mil tigres em liberdade. Mas o número diminuiu drasticamente ao longo do anos: em 2010, sobravam apenas 3,2 mil.

Já os dados mais recentes dão motivos para otimismo: em 2016 foram contabilizados mais 700 tigres, totalizando 3.890 no censo global mais recente.

“Mais importante que o número total é a tendência (de crescimento), e observamos que ela caminha na direção correta”, explica Ginette Hemley, vice-presidente de conservação silvestre da WWF.

Mas a que se deve essa mudança? Os conservacionistas ganharam a batalha?

Mais presas, menos caça

"Os tigres são felinos que se reproduzem bem se contam com suficiente espaço e presas disponíveis - e se os protegemos da caça predatória”, disse à BBC a assessora sobre espécies em perigo de extinção da WWF, Heather Sohl.

“Dadas essas circunstâncias, o número de tigres pode aumentar, e temos observado isso em países como Rússia, Índia, Nepal e Butão”, disse.

“Na Indonésia, no entanto, as cifras indicam que a população de tigres diminuiu nos últimos anos, já que os bosques estão sendo destruídos para alimentar a demanda mundial de azeite de dendê, polpa e papel”.

Os ecologistas garantem que outras causas são os efeitos da mudança climática, que ameaçam as selvas onde vivem os tigres.

Por outro lado, o Camboja está considerando reintroduzir a espécie no seu ecossistema, depois de esta ter sido declarada recentemente "funcionalmente extinta".

A maior população de tigres está na Índia, onde vivem mais da metade de todos os tigres do mundo (2.226, segundo a última contagem). Segundo os especialistas, o número aumentou devido à menor interferência na floresta e à transferência de populações humanas fora do habitat natural dos tigres.

Mas esta última medida envolve uma polêmica.

Briga por espaço

A luta por espaço entre humanos e animais selvagens já causou vários enfrentamentos na Índia nos últimos anos - não somente com tigres, como também com outros animais, como elefantes e leopardos.

A Índia é o segundo país mais populoso do mundo (atrás da China), e a população cresce em torno de 1,2% ao ano. Isso leva ao aumento da urbanização, limitando os habitats naturais do tigre e de outros animais selvagens do país, o que faz com que alguns deles invadam as cidades, desorientados.

Segundo a WWF, os tigres perderam, no total, 93% de seu habitat original.

“Humanos e tigres competem cada vez mais por espaço. O conflito ameaça os tigres que restam no mundo e cria um problema importante para as comunidades que vivem perto dos tigres”, adverte WWF.

Os especialistas temem que a diminuição do controle ambiental por parte do governo indiano coloque esses animais em perigo.

“Os últimos números mostram que podemos salvar as espécies e seus habitats quando os governos, as comunidades locais e os conservacionistas fazem um esforço conjunto”, diz Marco Lambertini, diretor geral internacional da WWF.

Nesta terça e quarta-feira, a cidade indiana de Nova Déli será sede de uma conferência internacional dos tigres na Ásia, na qual estarão presentes ministros de 13 países.

Um dos objetivos é duplicar a população global de tigres até 2022.

Mas a caça furtiva continua sendo uma grande ameaça para a sobrevivência da espécie, assim como a caça por praticada pelos moradores locais, preocupados com sua própria segurança.

Além disso, o comércio em parques de animais para a chamada “medicina tradicional” move milhões de dólares em todo mundo.

Pode ser que esta seja a primeira vez na história que o número de tigres tenha aumentado, mas a ameaça sobre esses felinos selvagens continua presente.