'Ninguém se salvou nessa crise', diz empresário que demitiu 15% dos funcionários

Direito de imagem Arquivo pessoal
Image caption A favor do impeachment, o empresário Claudio Schmidt, 48, diz que suas vendas caíram 20% por conta da crise

Dono de uma rede de postos de gasolina no interior de São Paulo e piloto de avião, Claudio Eduardo Schmidt, de 48 anos, é a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Ele afirma ter sido forçado a demitir funcionários devido à crise vivida no país nos últimos anos. "O país retrocedeu e, nos meus negócios, eu perdi cerca de 20% nas vendas. Diminuí o meu quadro de funcionários em 15% apenas de 2014 para cá. Ninguém se salvou nessa crise. O preço da gasolina, enquanto cai no mundo inteiro, aqui aumenta direto para a gente pagar a conta do rombo da Petrobras", disse.

Para ele, as pedaladas fiscais são motivos suficientes para a presidente deixar o poder. "A Dilma pedalou e enganou os eleitores que votaram nela. Isso é crime e justifica o impeachment. Eles (PT) aumentaram muito os custos do governo, criaram ministérios para vender mais cargos e se perpetuar no poder. Ninguém aguenta mais isso", afirmou.

Para ele, a presidente mentiu durante sua campanha eleitoral ao dizer que o país estava com as contas em dia e que a economia se ajustaria nos meses seguintes. "Dilma enganou 54 milhões de pessoas. O PT agora ainda diz que impeachment é golpe, mas costumava pedir impeachment por muito menos quando era oposição."

Novas eleições

Schmidt defende que a melhor solução seria o país fazer novas eleições. Mas, por opinar que as chances de isso ocorrer são pequenas, ele torce por uma sequência de cassações.

Direito de imagem Arquivo pessoal

"Dilma tem que sair logo e entrar o (vice) Michel Temer. Cunha vai para a cadeia, Lula vai para a cadeia. Se o (senador do PSDB) Aécio Neves estiver envolvido, pau para a cabeça do Aécio também. Nós temos que acabar com essa organização criminosa que comanda o país há muito tempo", defende.

"A saída da Dilma será apenas um começo para a gente acabar com esse negócio de usar um erro para justificar o outro. Não é porque todos roubam que isso vai ser aceito. Isso não cola mais."