A batalha dos votos: 'Mentira, gravidez de 35 semanas não tem risco', diz deputado sobre colega licenciada

(Foto: Nilson Bastian/Ag. Câmara) Direito de imagem Ag. Camara
Image caption Clarissa Garotinho se tornou alvo de polêmica após anunciar que não compareceria à votação

As últimas 48 horas em Brasília têm sido marcadas pelo esforço de governistas e oposicionistas pela conquista de deputados indecisos sobre o afastamento da presidente. Além dos que estão em cima do muro, os já decididos também são alvo – pelo menos 15 parlamentares teriam mudado de ideia às vésperas da votação.

O nível a que chega a disputa por apoio na reta final da discussão sobre admissibilidade do processo na Câmara é ilustrado por uma polêmica envolvendo uma deputada grávida de 35 semanas, que afirma ter recebido ordens médicas para não se deslocar de avião para a votação no Congresso.

Para Alberto Fraga (DEM), deputado mais votado do Distrito Federal, Clarissa Garotinho (PR-RJ) deveria seguir o exemplo da travessia feita por Maria, mãe de Jesus, e viajar a Brasília para participar da votação sobre o impeachment.

"Alguém avise pra Clarissa Garotinho que Maria viajou de Nazaré pra Belém de jumento, pra cumprir sua missão, e pariu Jesus, forte e com saúde", argumentou Fraga pelo Twitter.

A deputada passou mal durante a votação da Comissão Especial do Impeachment. Para setores da oposição, ela, filha do ex-governador Anthony Garotinho (PR-RJ) – ex-aliado que se tornou inimigo do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), – teria pedido licença médica para se abster, o que favoreceria a presidente Dilma Rousseff.

A BBC Brasil conversou com Fraga, que reiterou as críticas à parlamentar. "Ela é uma menina saudável, gravidez de 35 semanas não tem nenhum risco", afirmou.

Direito de imagem Ag. Camara
Image caption Para Alberto Fraga, deputada deveria seguir exemplo de Maria, mãe de Jesus

Questionado sobre as ordens médicas mencionadas por Clarissa Garotinho, Fraga responde: "O médico só pode ser petista. Não tem problema nenhum vir aqui e votar".

O parlamentar prossegue: "Não vai ter tumulto. Grávidas têm sempre prioridade".

A reportagem procurou a equipe da deputada em seu gabinete em Brasília, mas ninguém foi encontrado. Ela, que se declarava a favor do impeachment, disse à imprensa sentir muito, mas que não podia "colocar seu filho em risco".

Temer, Lula e os 'Nem Dilma, nem Cunha'

A corrida por votos movimenta igualmente os dois lados.

O vice-presidente Michel Temer (PMDB) antecipou sua vinda a Brasília para este sábado em um esforço, segundo relatos, para articular votos que culminariam em sua ascensão à Presidência. Há semanas, o ex-presidente Lula recebe parlamentares, ministros e governadores em seu quarto em um hotel na capital federal.

Dilma, que hoje faria discurso para movimentos sociais acampados próximos à Esplanada dos Ministérios, cancelou a agenda para intensificar discussões sobre apoio para a continuidade de seu mandato.

Os três – Temer, Lula e Dilma – fizeram pronunciamentos recentes nas redes sociais, em texto ou vídeo, atacando-se mutuamente.

Direito de imagem AFP
Image caption Michel Temer antecipou volta a Brasília

De outro lado, deputados da Rede, PSB e PSD articulam, desde a sexta-feira, um movimento cujo mote é "Nem Cunha, nem Dilma".

Diferentemente das lideranças de seus partidos, que anunciaram votos favoráveis ao impeachment, eles argumentam que o processo conduzido pelo presidente da Câmara, réu no Supremo Tribunal Federal sob a acusação de recebimento de propina no escândalo da Petrobras, seria tão ou mais ilegítimo do que o governo que se tenta derrubar.

Há relatos nos corredores do Congresso de que o governo estaria trabalhando para que parlamentares faltassem à sessão deste domingo, dificultando o esforço da oposição em alcançar os 342 votos necessários para o prosseguimento do processo.

Deputados da frente "Nem Dilma, nem Cunha" estariam entre os que cogitam não comparecer.

O PP, quarta maior bancada da Câmara, que anunciou apoio ao impeachment, teria visto 10 de seus deputados migrarem para o lado da presidente nas últimas horas, graças a articulações de Flavio Dino (PC do B), governador do Maranhão.

Após declarações de parlamentares da legenda, o PP decidiu "fechar questão" em relação ao impeachment, sugerindo que deputados que votarem contra o afastamento poderão ser expulsos do partido.

Notícias relacionadas