Novas curtidas a Coronel Ustra crescem 3.300% após homenagem de Bolsonaro

Direito de imagem Reproducao Facebook
Image caption Página do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra no Facebook

A homenagem feita por Jair Bolsonaro (PSC-RJ) ao coronel Brilhante Ustra durante votação sobre o impeachment de Dilma Rousseff na Câmara rendeu notas de repúdio e pedidos de cassação ao deputado, mas também popularidade ao primeiro militar reconhecido pela Justiça brasileira como torturador.

No Facebook, a principal página relacionada ao chefe do DOI-Codi, órgão responsável pela repressão a opositores da ditadura, ganhou quase 3 mil curtidas nas últimas 72 horas - um crescimento de 3.323,2% no ritmo médio de novos seguidores, segundo a rede social.

Já o total de curtidas da página cresceu, até o fechamento da reportagem, ao redor de 20%.

A página reunia, até o fechamento desta reportagem, 17 mil fãs. Antes do discurso de Jair Bolsonaro, o número de seguidores se mantinha estável. Pelo menos quatro páginas na rede social foram criadas para homenagear o torturador.

Entre 1970 e 1974, sob o comando do coronel no DOI-Codi, ao menos 50 pessoas foram assassinadas ou desapareceram. Outras 500 foram torturadas, segundo a Comissão Nacional da Verdade.

Bolsonaro reincidente

Não é a primeira vez que Jair Bolsonaro usa os microfones da Câmara dos Deputados para homenagear Brilhante Ustra.

Em 15 de outubro do ano passado, data da morte de Ustra, o deputado carioca foi à tribuna para homenageá-lo como "herói".

"Um herói que desde jovem esteve na linha de frente do combate à guerrilha em nosso país. Enfrentou maus brasileiros, verdadeiros doentes mentais, que treinados por Fidel Castro e financiados pela União Soviética, tentaram aqui implantar a ditadura do proletariado."

Direito de imagem Reproducao Facebook
Image caption Gráfico mostra crescimento de curtidas na página do coronel Ustra

"Foi também um símbolo de resistência para nossa juventude. Que seu espírito e seus valores encarnem os brasileiros neste momento em que os inimigos de ontem estão no poder", prosseguiu o parlamentar.

Em 2008, Bolsonaro foi além. "O erro da ditadura foi torturar e não matar", disse a manifestantes.

Na última terça-feira, a OAB/RJ anunciou que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a cassação do mandato de Bolsonaro. A entidade informou que também pode recorrer à Corte Interamericana de Direitos Humanos para pedir que o deputado deixe o cargo.

Elogios ao ditador

Em seu voto pela admissibilidade do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, Bolsonaro se referiu a Ustra como "o pavor" da presidente.

"Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim."

A própria presidente está na lista dos torturados sob a batuta do torturador e comentou, na terça-feira, as declarações.

"Fui presa nos anos 1970. De fato, eu conheci bem esse senhor a que ele se referiu. Foi um dos maiores torturadores do Brasil, contra ele recai não só a acusação de tortura, mas também de mortes", disse. "É terrível ver alguém votando em homenagem ao maior torturador que o Brasil conheceu."

Os novos fãs de Ustra no Facebook, entretanto, desfiam elogios.

"Militar exemplar. Quando a História Brasileira for escrita com honestidade o valor ético e moral do Coronel Ultra (sic) será reconhecido! E as mentiras e os mentirosos desmascarados!", disse um.