http://www.bbcbrasil.com

05 de novembro, 2005 - 13h57 GMT (11h57 Brasília)

Reverendo Moon retorna à Grã-Bretanha

O reverendo coreano Sun Myung Moon, líder da controvertida Igreja da Unificação, deve chegar à Grã-Bretanha neste sábado pela primeira vez após dez anos para participar de um evento à noite.

Moon foi excluído da Grã-Bretanha uma década atrás em meio a preocupações sobre os métodos de recrutamento de seu movimento religioso, que tem uma forte presença no Brasil.

O Ministério do Interior informou que revogou sua exclusão sob a justificativa de que a Igreja da Unificação é extremamente pequena no país e uma visita de seu fundador seria improvável de representar uma ameaça à ordem pública.

Estima-se que 1,3 mil pessoas deverão comparecer ao encontro com o reverendo Moon em Londres, que é parte de uma série de eventos em várias cidades do mundo para lançar a chamada Federação Universal da Paz, uma associação para a resolução de conflitos.

"Considerei excluí-lo, mas decidi que na idade dele, não há uma razão suficiente para isso", disse Charles Clarke, ministro do Interior, na edição de hoje do jornal londrino Daily Telegraph.

Métodos de recrutamento

O líder da Igreja da Unificação foi inicialmente banido da Grã-Bretanha em 1995 pelo então ministro do Interior Michael Howard, atual líder do Partido Conservador.

Na época, houve alegações de que o movimento do reverendo Moon adotava métodos inadequados de recrutamento de novos membros, que supostamente passavam por uma espécie de lavagem cerebral.

Moon nega enfaticamente as alegações.

A Igreja da Unificação possui em torno de 4,5 milhões de seguidores no mundo e é lembrada principalmente por seus casamentos coletivos, como em Seul, em 2002, quando Moon casou simultaneamente 3,5 mil casais no estádio olímpico da capital da Coréia do Sul.

O reverendo coreano detém, também, um império empresarial e financeiro, formado por indústrias, fazendas e jornais, entre outros negócios.

Presença no Brasil

No Brasil, o setor filantrópico do movimento religioso liderado por Moon chama-se Associação das Famílias para a Unificação e a Paz Mundial, que possui 70 fazendas no Mato Grosso do Sul, segundo a entidade declarou ao jornal Folha de S.Paulo em novembro de 2004.

A Igreja de Moon também investe em esporte, possuindo seis times de futebol, sendo dois no Brasil, o Atlético Sorocaba, em São Paulo, e o Cene, no Mato Grosso do Sul.

O movimento foi acusado pelo Ministério Público Federal brasileiro de lavagem de dinheiro e ameaça à soberania nacional.

A Igreja da Unificação foi fundada em Seul em 1954.

A origem desse movimento religioso está relacionada à crença de que Moon aos 16 anos encontrou-se com Jesus, que o teria inspirado a desenvolver uma doutrina que defende o trabalho e o fortalecimento do casamento e da família como princípios fundamentais do ser humano.