70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 18 de janeiro, 2006 - 10h00 GMT (08h00 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Maior peixe do mundo está 'encolhendo'
 

 
 
Tubarão baleia come plânton e é dócil
Tubarões-baleia vistos na costa australiana estão ficando menores, dizem pesquisadores.

Na última década, o tamanho médio do maior peixe do mundo teria diminuído de 7 metros para 5 metros. E isto estaria acontecendo por causa da pesca indiscriminada.

Os tubarões-baleia são pescados em países do leste asiático, onde sua carne é apreciada.

A espécie está listada como "vulnerável" e pesquisadores do Instituto Australiano de Ciência Marinha (Aims), que analisou dados dos últimos dez anos, afirmam que a tendência "é muito preocupante".

Ecoturismo

A descoberta foi feita a partir de expedições de ecoturismo, para ver e nadar com o tubarão-baleia que, apesar de ter uma boca de 1,5 metros de comprimento, é dócil e se alimenta de plâncton.

As empresas que fazem os passeios no Ningaloo Marine Park, na costa noroeste da Austrália, catalogam o tamanho, o sexo e a posição de cada um dos tubarões que vêem.

"Nós obtivemos as bases de dados e analisamos por um período de dez anos", disse Mark Meekan, do Aims.

"O que nós vimos foi o declínio no tamanho médio. Se você levar em conta que os tubarões-baleia provavelmente não alcançam a idade reprodutiva até chegarem a seis ou sete metros, a informação é preocupante".

Os tubarões-baleia (Rhincodon typus) vivem até 150 anos e podem chegar a 20 metros de comprimento. Se acredita que atinjam a maturidade sexual por volta dos 30 anos.

Eles vivem em mares quentes, perto do Equador, incluindo a costa brasileira.

A União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN), que reúne 82 países e produz uma lista de espécies ameaçadas, chamada de lista vermelha classifica o tubarão-baleia como espécie vulnerável.

"Como muitos outros tubarões, eles são altamente vulneráveis por causa da vida longa e da baixa reprodutividade", afirma Callum Roberts da Universidade de York na Grã-Bretanha, que pesquisou a espécie no Caribe.

"A espécie foi incluída na lista das ameaçadas da CITES (Convenção de Comércio Internacional em Espécies Ameaçadas), mas isto não vai protege-los se eles forem pescados em Taiwan e consumidos no próprio país", explica.

"Os tubarões-baleia estão correndo risco e a redução do tamanho pode ser consequência da captura dos maiores tubarões", acredita Roberts.

Também há indicações de que o número de tubarões-baleia visitando as águas Australianas possa estar diminuindo, outro indicador de declínio provocado pela pesca indiscriminada.

Rastreamento

Os pesquisadores do Aims criaram um programa em que alguns dos tubarões estão sendo monitorados para acompanhar as rotas de migração entre a Austrália, a Ásia e a costa leste da África.

No mês passado um dos transmissores foi localizado na Indonésia, provavelmente em terra, por vários dias, o que levou os pesquisadores a suspeitar que o tubarão tenha sido pego e o transmissor removido.

Na Ásia, além da carne, as nadadeiras gigantes dos tubarões-baleia são usadas como placas pelos restaurantes que servem sopas de barbatana de tubarão. O óleo do fígado também é aproveitado, assim como a cartilagem, usada tradicionalmente na medicina chinesa.

Mapear as rotas de migração pode ajudar a apontar onde eles estão sendo apanhados.

"Muitas das pessoas fazendo isto, são pescadores sem outras opções. Se nós soubermos onde eles estão, podemos indicar outras opções muito lucrativas", diz Meekan.

A indústria do ecotorismo em Ningaloo movimenta US$ 50 milhões por ano (R$ 115,5 milhões).

A longo prazo, os pesquisadores do Aims esperam entender melhor o ciclo de vida do tubarão baleia. Seus hábitos reprodutivos ainda são um mistério e eles são animais solitários, que se reúnem em algum lugar para reproduzir.

Se acredita que eles cuidem dos filhotes, mas poucos já foram avistados.

 
 
GalinhaEpidemia de gripe?
Ranking indica que Brasil enfrenta 'risco médio'.
 
 
Fila no escritório de imigração americanoImigração
EUA mudam prazo para vistos de estudantes.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Reservas marinhas têm viabilidade econômica, diz WWF
15 de junho, 2004 | Ciência & Saúde
Baleia morta explode em cidade de Taiwan
28 de janeiro, 2004 | Ciência & Saúde
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade