70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 26 de abril, 2006 - 09h22 GMT (06h22 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Ucrânia faz um minuto de silêncio por Chernobyl
 
O presidente ucraniano, Viktor Yushchenko
O presidente Viktor Yushchenko compareceu a uma missa
A Ucrânia está realizando uma série de eventos nesta quarta-feira para lembrar os 20 anos do pior acidente nuclear do mundo, na usina de Chernobyl, em seu território.

Sinos marcaram a hora em que o alarme disparou na usina no dia 26 de abril de 1986 (01h23, hora local; 19h23, hora de Brasília) e foi feito um minuto de silêncio.

A explosão do reator número quatro destruiu sua cobertura, espalhando nuvens de radiação por vastas áreas da então União Soviética e da Europa.

O presidente ucraniano, Viktor Yushchenko, compareceu a uma missa em uma pequena igreja na capital, Kiev, construída em homenagem às vítimas do acidente.

Yushchenko também se juntou a um grupo de sobreviventes e familiares de vítimas em uma cerimônia fora da planta nuclear. Ele se encontrou com ex-funcionários do reator e deu medalhas a quem arriscou sua vida para tornar o local mais seguro.

Kiev fica 110 quilômetros ao norte de Chernobyl.

Centenas de pessoas portando cravos e velas acesas se concentraram diante da igreja cristã ortodoxa.

Também foi erguido um monumento em homenagem às vítimas e o parlamento do país realizou uma audiência especial sobre o desastre.

No país vizinho Belarus, também afetado pelo acidente, grupos da oposição planejavam protestos na capital Minsk contra a tentativa do governo de reabitar as áreas contaminadas.

Estimativas

As estimativas sobre o número de pessoas que morreram ou ainda vão morrer em conseqüência do acidente variam muito. As Nações Unidas prevêem que até 9 mil mortes por câncer estejam ligadas a Chernobyl.

Mas um relatório do Greenpeace da semana passada estima que esse número chegue a 93 mil, e que outras doenças também decorrentes do acidente podem elevar esse número para 200 mil.

Mais de 250 mil pessoas foram retiradas permanentemente da área próxima ao reator destruído, que foi envolvido em uma estrutura de concreto. A área em um raio de 30 quilômetros em torno do reator tem acesso restrito.

Slavutych

Foi realizada ainda uma cerimônia para lembrar as vítimas do acidente em Slavutych, cidade construída para abrigar os funcionários da usina que ficaram desabrigados depois da explosão do reator.

"Eu conhecia todas estas pessoas", disse Mykola Ryabushkin, aos prantos, à agência de notícias AFP. Ele apontava para fotos de vítimas do acidente colocadas em um monumento aos que morreram imediatamente após a explosão em Chernobyl.

Ele tem 59 anos e trabalhava como um dos operadores da usina quando o acidente ocorreu.

"Eu olho para eles e quero pedir perdão", afirmou. "Talvez sejamos todos culpados por ter deixado o acidente ocorrer."

A explosão foi acobertada pelas autoridades soviéticas na época. Só duas semanas depois da explosão, quando começaram a haver sinais da emissão de radiação, uma autoridade soviética acabou admitindo a "possibilidade de uma catástrofe".

 
 
Viktor Yuchenko em ChernobylChernobyl 20 anos
Cerimônias marcam maior desastre nuclear da história.
 
 
Fantasma
A cidade de Pripyat está abandonada há 20 anos. Veja fotos.
 
 
ChernobylChernobyl
Solo da União Européia ainda está contaminado.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
OMS contesta Greenpeace sobre Chernobyl
18 de abril, 2006 | Notícias
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade