BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 12 de julho, 2006 - 19h08 GMT (16h08 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Autores de ataques 'nunca vencerão', diz premiê da Índia
 
Vítima sendo retirada do local das explosões
Explosões ocorreram durante hora do rush na Índia
O primeiro-ministro indiano Manmohan Singh disse que "ninguém vai colocar a Índia de joelhos", um dia depois que ataques em Mumbai (antiga Bombaim) mataram 200 pessoas.

Em pronunciamento nesta quarta-feira transmitido pela televisão, Singh afirmou que as pessoas atingidas pelos atentados responderam com "coragem e humanidade".

O governo afirma ainda não ter pistas sobre a autoria dos ataques e não divulga nenhuma suspeita.

Dois grupos militantes islâmicos que combatem o domínio indiano sobre a Caxemira negaram qualquer envolvimento nos atentados.

Correspondentes internacionais dizem que o governo está adotando uma abordagem cautelosa. O único termo usado oficialmente, até agora, é "terroristas".

'Calma'

"Eu peço a cada um de vocês que fiquem calmos", afirmou o primeiro-ministro na televisão. "Não se deixem provocar por boatos. Não deixem ninguém nos dividir. Nossa força está na nossa união."

Singh elogiou o trabalho da polícia, dos bombeiros e dos médicos e disse que a Índia não se acovardará.

"Ninguém pode interromper o caminho do nosso progresso. As rodas da nossa economia vão continuar girando. A Índia vai continuar caminhando altiva e com confiança."

'Invencível'

O ministro do Departamento do Estado de Maharashtra (onde fica Mumbai), RR Patil, disse à assembléia do Estado que o número de mortes aumentou na noite passada. Ao todo, 200 corpos foram retirados dos escombros.

Mumbai, coração comercial da Índia, foi atingida com mais força no sul, justamente o local mais importante de negócios.

Na manhã desta quarta-feira, os trens – que transportam cerca de seis milhões de pessoas por dia – já estavam funcionando novamente, lotados de passageiros, como sempre.

"Eu vou tomar o trem de novo hoje. Eu não tenho medo da morte", disse o engenheiro de softwares Prashant Singh, que estava em um dos trens atacados na terça-feira, na estação de Bandra.

Enquanto as capas dos jornais trazem histórias com detalhes horríveis da tragédia, as páginas internas destacavam o espírito "invencível" de Mumbai.

Correspondentes falam nas longas filas de minorias islâmicas dispostas a doar sangue aos 714 feridos nas explosões.

Enquanto isso, o mercado financeiro indiano contradisse as previsões e subiu três pontos percentuais nesta quarta-feira.

Suspeitos

A polícia disse ter detido vários suspeitos em protestos na região de Mumbai. Ninguém foi preso.

Analistas acreditam que algum grupo transnacional poderoso pode estar por trás dos ataques coordenados para a hora do rush.

O diretor da polícia do Estado de Maharashtra disse que os atentados têm a marca do Lashkar-e-Toiba, o principal grupo paquistanês de combate aos indianos na Caxemira.

Porém, o porta-voz do grupo negou participação nos atentados, que qualificou de "desumanos" e "bárbaros".

O grupo islâmico Hizb-ul-Mujahideen também condenou as explosões.

Paquistão

A correspondente da BBC, Geeta Pandey, disse que, ao contrário de outros ataques, a Índia foi mais cautelosa, e não condenou imediatamente o Paquistão ou grupos apoiados pelo governo do país vizinho.

Mas as tensões entre os países ficaram claras na quarta-feira, quando um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia acusou o ministro do Exterior paquistanês, Khurshid Kasuri, de tentar relacionar os atentados ao fracasso da resolução da questão da Caxemira.

O porta-voz indiano Navtej Sarna também pediu ao Paquistão que "desmanche a infra-estrutura do terrorismo" em seu território.

O ministro paquistanês rejeitou as acusações de Sarna e disse que foi mal-interpretado em suas declarações. Ele acrescentou que o Paquistão está na "linha de frente dos esforços internacionais contra o terrorismo".

 
 
Depoimento
Estudante de Medicina descreve caos em hospital.
 
 
Mumbai
Bombas causam pânico na cidade.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Ataque na Caxemira deixa 22 hindus mortos
01 de maio, 2006 | Notícias
Índia prende suspeito de ataques que mataram 60
13 de novembro, 2005 | Notícias
Carro-bomba mata ao menos 5 na Caxemira indiana
02 de novembro, 2005 | Notícias
Ataque a bomba na Índia mata 23 soldados
04 de setembro, 2005 | Notícias
Explosão mata cinco soldados na Caxemira
20 de julho, 2005 | Notícias
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade